1

ANDES-SN realiza Semana de Lutas do Setor das Iees/Imes entre 23 e 27 de maio

Diante da escalada de ataques e retrocessos, o ANDES-SN e suas seções sindicais realizam, entre 23 e 27 de maio, a Semana de Lutas das Instituições Estaduais e Municipais de Ensino Superior públicas (Iees/Imes). A Semana, organizada pelo Sindicato Nacional, tem como tema central “Semana de Lutas do Setor: quem conhece, defende!”. Reconhecida pelo seu contexto histórico, a Semana de Lutas das Iees e Imes ocorre, geralmente, em maio, mês no qual as Assembleias Legislativas votam as Leis Orçamentárias Anuais dos estados.

Além da luta por mais orçamento, as e os docentes têm realizado mobilizações incessantes nos estados e municípios por melhores condições de trabalho, valorização salarial, concursos públicos e em defesa da autonomia universitária.

As atividades se iniciam na segunda-feira (23) com a realização de uma transmissão ao vivo do lançamento da Campanha em Defesa das Iees/Imes, a partir das 18h, com a participação do presidente do Sindicato Nacional em exercício, Milton Pinheiro, e integrantes da coordenação do Setor das Iees/Imes, Rosineide Freitas (Uerj), Sâmbara Ribeiro (Uece), Alexsandro Carvalho (Uern), Edmilson Silva (UEM), Luiz Blume (Uesc). A Campanha, que tem como lema “Universidades Estatuais e Municipais: quem conhece, defende!”, foi aprovada no 40º Congresso do ANDES-SN, realizado este ano em Porto Alegre (RS), assim como a realização da Semana de Lutas, que integra o Plano de Lutas do Setor das Iees/Imes.

“A ideia é termos ações descentralizadas e que cada seção sindical se aproprie das suas peças, a partir da identidade da Campanha, e construa iniciativas nos estados e municípios, com sua comunidade acadêmica, em defesa das Instituições Públicas Estaduais e Municipais de Ensino Superior”, explicou Rosineide Freitas, da coordenação Setor das Iees/Imes do ANDES-SN.

A diretora do Sindicato Nacional ressaltou a importância de mostrar para toda a sociedade a luta encampada nas instituições “em defesa da educação pública e os ataques históricos promovidos por governos e prefeituras a elas”.

A semana ainda contará com o lançamento do podcast – conteúdo de áudio semelhante ao de um programa de rádio – sobre a Financeirização nos Regimes Próprios de Previdência Social (RPPS) nos estados: Tendências enunciadas na estruturação do sistema e na legislação, com a participação da professora Sara Granemann (UFRJ), e do Painel Virtual “As lutas atuais do Setor das Iees/Imes”, no dia 26 de maio, a partir das 19h, ao vivo no Instagram do ANDES-SN. Além disso, de 23 a 27 de maio ocorrerão atos, paralisações, debates, panfletagens e outras ações de agitação nas Instituições de Ensino para dialogar com a comunidade acadêmica e com a sociedade sobre a importância dessas universidades.

Serviço:
Semana de lutas das Instituições Estaduais e Municipais de Ensino Superior (Iees/Imes): “Quem conhece, defende”
Programação:

23/05 – 18h: Live de lançamento, nas redes sociais do ANDES-SN, com participação do presidente em exercício do ANDES-SN Milton Pinheiro, e dos(as) diretores/as Rosineide Freitas; Sâmbara Ribeiro; Alexandro Carvalho; Edmilson Silva e Luiz Blume; 
24/05: Divulgação dos vídeos da Campanha;
25/05: Lançamento do episódio de podcast sobre Financeirização dos Regimes Próprios de Previdência Social nos Estados, com Sara Granemann;
26/05 – 19h: Painel virtual das Lutas Atuais do Setor das Iees/Imes, ao vivo no Instagram;
27/05: Divulgação dos vídeos da Campanha.




65º Conad do ANDES-SN acontecerá de 15 a 17 de julho em Vitória da Conquista (BA)

A diretoria do ANDES-SN convocou, nesta sexta-feira (06), o 65º Conad do Sindicato Nacional, que ocorrerá de 15 a 17 de julho. Com tema central “Retorno presencial com condições de trabalho e políticas de permanência para fortalecer a luta por Educação Pública e liberdades democráticas”, o evento acontecerá na Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb), em Vitória da Conquista (BA), sob organização da Associação de Docentes da Uesb – Seção Sindical do ANDES-SN (Adusb SSind.).

Caderno de Textos
As contribuições de seções sindicais, sindicalizados e sindicalizadas enviadas até o dia 5 de junho irão compor o Caderno de Textos do 65º Conad. Os materiais enviados após essa data, e até 30 de junho, integrarão o Anexo ao Caderno.

Em circular enviada nessa sexta com as orientações sobre envio de textos, a diretoria ressalta que “Para a apresentação de contribuições deve-se considerar que o 40º Congresso aprovou remeter o consolidado dos TRs do Tema III, que não foram apreciados em plenária, para a deliberação do 65º CONAD, portanto só serão aceitos textos de atualização”.  Os textos devem ser encaminhados pelo email secretaria@andes.org.br. 

Participação
Conforme estatuto do ANDES-SN, cada seção sindical pode enviar um delegado ou uma delegada, com direito a voto. Demais representantes podem participar como observadores e observadoras, com direito à voz.

O credenciamento será prévio e digital. O envio das documentações regimentais de inscrição deverá ser feito entre os dias 23 de maio e 24 de junho. Serão exigidos passaporte de vacinação e declaração de compromisso de testagem de todas e todos os participantes.

Confira aqui a circular 161/22, com mais informações sobre o envio de textos e sobre os documentos para credenciamento.




Aprovação de moções e Carta de Porto Alegre encerram 40° Congresso do ANDES-SN

O 40º Congresso do ANDES-SN chegou ao fim na noite dessa quinta-feira (31). Foram cinco dias de muitos debates e deliberações, que irão contribuir para as lutas da categoria docente ao longo de 2022. O encontro contou com a participação de 642 docentes e foi realizado na cidade de Porto Alegre (RS), desde domingo (27). Nesta sexta (1), as e os participantes realizam, junto com demais categorias e movimentos sociais e populares gaúchos, um ato pelas liberdades democráticas e em defesa dos serviços públicos.

Antes de dar início à aprovação das moções apresentadas ao 40º Congresso do ANDES-SN, a Comissão de Combate ao Assédio do encontro apresentou os resultados de seus trabalhos. De acordo com as e os integrantes da comissão, foram apresentadas 20 denúncias referentes a uma situação de assedio e violência de gênero praticada por um participante durante uma plenária do Congresso, direcionada a duas docentes, mas que repercutiram nas e nos demais presentes. 

A comissão acolheu as denúncias e dialogou com o denunciado, buscando estabelecer um processo pedagógico de conscientização. Foi proposto ao docente fazer uma retratação pública, no entanto o mesmo não ficou até o momento da plenária final, apresentando um texto para ser lido no encerramento. Entendendo que a leitura da retratação não competia à comissão, a mesma decidiu dar sequência aos trabalhos e apresentará seus encaminhamentos como forma de texto de resolução ao próximo Conad, que será realizado em Vitória da Conquista (BA).

A mesa de encerramento foi composta por Regina Ávila, secretária-geral do ANDES-SN, Milton Pinheiro, presidente em exercício do Sindicato Nacional, Amaury Fragoso de Medeiros, 1º tesoureiro da entidade, Elisabete Búrigo, 2ª vice-presidenta da Seção Sindical do ANDES-SN na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (ANDES/UFRGS) e Manuela Finokiet, 2ª vice-presidenta da Regional RS do ANDES-SN.

Elisabete Búrigo agradeceu a participação de todas e todos que participaram do 40º Congresso do ANDES-SN e também que ajudaram a construir esse grande encontrou. A docente ressaltou a importância da realização do evento na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), que atualmente é administrada por um reitor interventor. Afirmou ainda que, apesar do cansaço, as e os docentes, em especial a delegação do ANDES/UFRGS, saem fortalecidas e fortalecidos. 

Na sequência, Regina Ávila, secretária-geral do ANDES-SN, fez a leitura das moções apresentadas que contemplaram diversos temas, entre a cobrança de justiça e resposta sobre os mandantes do assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes, apoio à greve dos profissionais de Educação de Dourados (MS) e de Minas Gerais, solidariedade às trabalhadoras e trabalhadores que enfrentaram a Covid-19 e seus efeitos, repúdio aos governos dos estados que se recusam a negociar com as e os docentes, como do Maranhão e de Minas Gerais, apoio à luta dos estudantes indígenas, contra os ataques à autonomia universitária na Universidade Estadual de Feira de Santana (BA) e contra o assédio praticado pelo reitor interventor da Universidade Federal do Ceará à comunidade universitária, entre outras. A plenária aprovou ainda uma moção em saudação à memória da professora Lisete Areralo, pedagoga docente da USP, referência na luta da em defesa da Educação Pública e popular, que muito contribuiu para as formulações do Grupo de Trabalho de Política Educacional do ANDES-SN.

Após a aprovação de todas as moções, a secretária-geral fez a leitura da Carta de Porto Alegre, do 40º Congresso do ANDES-SN “A vida acima dos lucros!”, em memória a Marcos Goulart de Souza, funcionário do ANDES-SN que faleceu vitimado pela Covid-19. Com a homenagem, as e os docentes lembrou e horaram todas as vidas perdidas nesse momento trágico da história, pela negligência do governo Bolsonaro na condução da pandemia e demora na oferta de vacinas à população brasileira.

A Carta de Porto Alegre destacou o clima dos debates e as deliberações do congresso, também expresso nas apresentações artísticas nos intervalos das plenárias e nas exposições montadas no prédio da Faculdade de Educação da UFRGS, que contam a luta por memória e justiça contra os expurgos da UFRGS e também resgatam os 41 anos de luta do ANDES-SN.

Milton Pinheiro, presidente em exercício do ANDES-SN, agradeceu a participação de todas e todos docentes presentes no primeiro encontro deliberativo presencial do Sindicato Nacional desde o início da pandemia. Ele ressaltou a importância do ato que ocorre nessa sexta (1) que, além de marcar a defesa dos serviços públicos, destaca a luta contra o governo Bolsonaro, em defesa das liberdades democráticas e em repúdio à ditadura empresarial-militar, que teve início há exatos 58 anos.

Com a saudação às e aos docentes presentes, Milton declarou o fim do 40º Congresso do ANDES-SN. “Vitória e força na luta!”, desejou. O evento foi encerrado com as e os participantes entoando as palavras de ordem que marcaram as lutas da categoria no último período. “Eu sou docente, sou radical, eu sou do ANDES Sindicato Nacional!”

“Foi uma jornada importante, com decisões sérias, que vão movimentar o conjunto da categoria para as lutas de rua, contra Bolsonaro, em defesa dos serviços públicos, em defesa do reajuste de 19,99%. Posso dizer que foi um congresso muito vitorioso”, avaliou o presidente em exercício do ANDES-SN ao final da plenária.




Ato “Pelas Liberdades Democráticas e em Defesa do Serviço Público” em 1 de abril encerrará as atividades do 40º Congresso do ANDES-SN

O ANDES-SN e sua Seção Sindical na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (ANDES/UFRGS), em conjunto com a Frente dos Servidores Públicos do RS, com o Fórum pelos Direitos e Liberdades Democráticas e com organizações estudantis, de juventude, populares e de trabalhadoras e trabalhadores realizarão, no dia 1 de abril, o ato “Pelas Liberdades Democráticas e em Defesa do Serviço Público” em Porto Alegre (RS). Nas ruas, as e os manifestantes irão defender a democracia, os serviços públicos e os direitos das trabalhadoras e dos trabalhadores.

A concentração está marcada às 10 horas, em frente ao prédio do Instituto de Educação, localizado próximo ao campus central da UFRGS. De lá, as e os participantes seguirão em caminhada até a Esquina Democrática, no Centro Histórico da capital gaúcha. As servidoras e os servidores públicos estão em luta em defesa dos serviços públicos, por reposição salarial emergencial, pela revogação imediata da Emenda Constitucional 95 – do Teto dos Gastos – e pela rejeição da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 32, da reforma Administrativa.

A manifestação faz parte da programação do 40º Congresso Nacional do ANDES-SN em Porto Alegre, que teve início no domingo (27) e termina no dia 1 de abril.  “Por se tratar de um ato unitário e a nível federal, estadual e municipal, contando com a presença dos participantes do Congresso, estimamos que conte com a presença de mais de 700 pessoas. A caminhada será conduzida até a Esquina Democrática e por lá teremos o ato em si”, explicou Cesar Beras, 1º secretário da Regional Rio Grande do Sul do ANDES-SN. 

Com o tema “A vida acima dos lucros: ANDES-SN 40 anos de luta!”, esse é o primeiro encontro deliberativo do Sindicato Nacional a acontecer em formato presencial desde o início da pandemia de Covid-19. Para o diretor do ANDES-SN, o 40º Congresso terá um grande desfecho, com as e os docentes nas ruas, em unidade com demais categorias e movimentos do Rio Grande do Sul.  

De acordo com Beras, o evento é um espaço de amplo e democrático debate. “Isso certamente fortalecerá a nossa análise da conjuntura e nossa luta por uma universidade pública, gratuita, de qualidade e socialmente referenciada, que neste momento passa pela articulação e consolidação da greve geral dos servidores públicos e pelo fora Bolsonaro’’, disse.

Ditadura Nunca Mais
A data do ato público – 1 de abril – rememora o início da ditadura empresarial-militar (1964-1985) no Brasil. O regime político por 21 anos atacou a classe trabalhadora, com um imenso arrocho salarial e repressão, interviu nas universidades brasileiras e massacrou a população indígena, camponesa e quilombola. Os governos ditatoriais prenderam milhares de opositoras e opositores, torturaram centenas de militantes, trabalhadoras e trabalhadores, forçando ao exílio lideranças políticas, sindicais, estudantis e intelectuais. A ditadura empresarial-militar também matou – em números oficiais, e possivelmente subnotificados – 434 mulheres e homens que lutavam em defesa das liberdades democráticas e dos interesses da classe trabalhadora. 

O 40º Congresso do ANDES-SN reúne 642 participantes de 89 seções sindicais, entre delegados, delegadas (445), observadores, observadoras (146), convidados e convidadas (17), e diretores e diretoras (34) do Sindicato Nacional. 

Até dia 31 de março, as e os presentes participam de grupos de trabalho e plenárias que discutem os planos de luta do ANDES-SN e questões organizativas e financeiras da entidade. Esse é o segundo maior congresso já organizado pelo Sindicato Nacional e o primeiro evento deliberativo presencial desde o início da pandemia, em março de 2020.

Confira a cobertura:

– Primeiro dia do 40º Congresso do ANDES-SN teve lançamento da revista Universidade e Sociedade, música e poesia

– Luta pela derrota de Bolsonaro, em defesa da vida e dos direitos da classe trabalhadora pautou debate de conjuntura

– Vida acima dos lucros e fora Bolsonaro marcam abertura do 40º Congresso do ANDES-SN




Vida acima dos lucros e fora Bolsonaro marcam abertura do 40º Congresso do ANDES-SN

Teve início, neste domingo (27), o 40º Congresso do ANDES-SN, que tem como tema central “A vida acima dos lucros: ANDES-SN 40 anos de luta!”. Professoras e professores provenientes de universidades federais e estaduais, institutos federais e Cefets de todo o país se reúnem, presencialmente, em Porto Alegre (RS) até quinta-feira (31), para debater e deliberar sobre as ações e pautas que irão orientar as lutas da categoria no próximo período. No dia 1º de abril, as e os docentes participarão de um protesto pelas ruas da capital gaúcha, em defesa das Liberdades Democráticas.

Este é o 1º encontro deliberativo presencial do ANDES-SN desde março de 2020, início da pandemia da Covid-19, e conta com a participação de 642 docentes de todo o país. Além da diretoria nacional, diversos representantes de seções sindicais e de entidades do conjunto da classe trabalhadora, movimentos sociais, indígenas e estudantis participaram da mesa de abertura.

Milton Pinheiro, 1º vice-presidente do ANDES-SN e presidente em exercício do Sindicato Nacional, relatou a complexidade da atual conjuntura política brasileira. “Estamos no 40º Congresso do ANDES-SN e esse é um momento importante, delicado, que exige reflexão e capacidade de luta e orientação para vencer. Temos muitos desafios nessa direção e no conjunto da nossa base, que está aqui presente no maior congresso já realizado pelo ANDES-SN. Aqui, em Porto Alegre, está representado o que tem de pior do neofascismo brasileiro que afeta as liberdades democráticas e a autonomia da universidade. Nos colocamos a disposição para lutar em defesa dessa universidade e para derrotar as intervenções nas universidades em todo o Brasil. Vivemos também um momento muito tenso onde o povo brasileiro e a classe trabalhadora foram abatidos em diversos momentos pela insanidade negacionista desse governo, pela incapacidade de ter políticas públicas para combater a pandemia da covid-19 e muitas vidas foram abatidas”, afirmou.

Rivânia Moura, presidenta do ANDES-SN licenciada neste momento em licença-maternidade, fez um discurso emocionante sobre esse direto que é fundamental e precisa ser garantido a todas e todos no Brasil. “Espaços como esses são importantes para a luta cotidiana que precisamos travar por respeito e reconhecimento da dupla maternidade. Me orgulho de fazer parte de um sindicato que tem avançado em várias frentes de luta com antirracista, antimachista, antilgbtfóbica. Essas pautas precisam se materializar no cotidiano das nossas vidas”, ressaltou.

A presidenta licenciada também relembrou as lutas travadas pelo Sindicato Nacional nos últimos períodos. “O protagonismo do nosso sindicato pode ser visto no fora Bolsonaro, na jornada de lutas contra a PEC 32 (contrarreforma Administrativa), que durou mais de três meses, nas ações de solidariedade nas cozinhas do MST, MTST e de tantas outras, com o apoio e participação na luta dos povos indígenas, com a campanha nacional Em Defesa da Educação Pública, contra os cortes no orçamento, contra as intervenções e contra qualquer forma de expansão do ensino à distância nas universidades públicas. E, agora, no processo de construção unificada da greve das servidoras e dos servidores públicos federais”, afirmou. 

Magali Menezes, presidenta da Seção Sindical do ANDES-SN na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), agradeceu a presença de todas e todos, desde as e os docentes, funcionárias e funcionários, além das artistas e demais convidadas e convidados. “Nós, da Seção Sindical do ANDES-SN na UFRGS, acolhemos o 40º Congresso do ANDES-SN em nossa casa, Porto Alegre, símbolo da resistência que completou no dia 26 de março 250 anos sob território indígena e negro. Congresso que acontece em nossa Universidade Federal do Rio Grande do Sul e que se soma as outras 22 universidades em intervenção nesse país. Há 24 anos ocorreu aqui o 17º Congresso do ANDES-SN e que teve como tema ‘Nada a perder, todo o mundo a ganhar’ e hoje o nosso tema é ‘A vida acima dos lucros’, que traduz o que nosso contexto exige, que é a luta pela vida, mas não qualquer vida, a vida sem exploração e discriminação”, defendeu.

Maria Caridad Corder, da Central dos Trabalhadores de Cuba (CTC), contou aos presentes na plenária a situação que Cuba vive desde o bloqueio econômico imposto pelo governo dos Estados Unidos há mais de 60 anos. “Somos vítimas de uma intensa guerra midiática com o fim de desestabilizar a nossa tranquilidade. Na atualidade, enfrentamos grande desabastecimento de alimentos, medicamentos e matérias primas. Apesar dessa realidade, Cuba vive e trabalha. Contamos com uma comunidade científica que desenvolveu a vacina [contra Covid-19] e mais de 90% da população está com esquema vacinal completo contra Covid-19. As vacinas não são apenas para cubanos, mas para todos os países do mundo que necessitem”, contou. “Hasta la victoria, siempre! [tradução livre: Até a vitória sempre]”, completou Maria.

Woia Paté Xokleng, representante do Coletivo dos Estudantes Indígenas da UFRGS, realizou uma oração em homenagem aos anos de luta do Sindicato Nacional. “São 500 anos de resistência e luta [dos povos indígenas]. Dormimos lutando e acordamos lutando. Nós, povos indígenas, lutamos desde a invasão do Brasil em 1500. Lutamos e sobrevivemos. Sejam bem vindos ao território indígena. Nosso povo sofre há muito tempo. Aqui em Porto Alegre são 250 anos de invasão e genocídio do povo indígena. Estamos lutando também para acessar e permanecer na universidade. Essa é uma demanda antiga, são mais de 15 anos lutando para ter a casa do estudante indígena, porque não basta apenas garantir a entrada de estudantes indígenas nas universidades, também é preciso garantir a sua permanência. Além disso, precisamos demarcar as terras indígenas. Muitos falam que é muita terra para pouco índio, mas é pouco índio para preservar a natureza para esse mundo inteiro. A nossa luta é de todos”, ressaltou.

Rejane Oliveira, representante da CSP-Conlutas, afirmou que nesse momento de grandes ataques é fundamental a unidade da classe trabalhadora. “Essa categoria é muito importante para a luta da classe trabalhadora e extremamente importante para a CSP-Conlutas. Nós vivemos um período de crise política, econômica, sanitária fruto da política negacionista e genocida do governo Bolsonaro, que junto com o capitalismo e a burguesia promovem o extermínio do povo, com uma política de ataques aos direitos, feminicídio, racismo, LGBTfobia, ataques contra os indígenas. Essa política quer nos matar, mas a classe trabalhadora não está derrotada. Decidimos viver e lutar. Agora não é hora de dividir, mas de se juntar para derrotar Bolsonaro”, disse.

David Lobão, coordenador-geral do Sinasefe, avaliou como importante a luta contra o governo Bolsonaro que iniciou no ano passado. “Através de uma luta difícil e árdua, conseguimos impedir que Bolsonaro votasse a PEC 32. Já este ano, começamos a luta pelo reajuste salarial e temos a responsabilidade de fazer a grande luta em defesa dos nosso interesses e fazer a maior greve do serviço público. A luta que travamos hoje é necessária e humana’’, ponderou.

Já Erico Correa, do Fórum Sindical, Popular e de Juventudes de Luta pelos Direitos e pelas Liberdades Democráticas, saudou as e os presentes da mesa de abertura e lembrou a realidade do país. Ele informou que existe atualmente no Parque da Redenção, local de lazer em Porto Alegre onde ocorre o Congresso, mais de mil pessoas em situação de rua. Para ele, é importante fazer a resistência para que a população supere a fome e a miséria que assola o país.

Antonio Gonçalves, da Frente Nacional Contra a Privatização da Saúde e ex-presidente do ANDES-SN, destacou os ataques dos últimos anos ao Sistema Único de Saúde (SUS) e reforçou a importância da saúde como direito a todas e a todos. Ele reforçou o chamado para a categoria ir às ruas no dia 7 de abril, Dia Mundial da Saúde.

Leonardo de Carvalho, da Federação Nacional dos Estudantes em Ensino Técnico (Fenet), contou um pouco sobre as dificuldades enfrentadas pelos estudantes nas escolas estaduais, após a aprovação da reforma do Ensino Médio. Ele afirmou que o momento é de unidade entre estudantes e trabalhadoras e trabalhadores da Educação.

Além dos citados acima, estiveram presentes na mesa representantes da Associação dos Servidores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – (Assufrgs), do Diretório Central dos Estudantes (DCE) da UFRGS, da Associação de Pós-Graduandos da UFRGS, da Editora Expressão Popular e do Sintrajufe.

A mesa de abertura também foi composta por Amauri Fragoso, 1º tesoureiro do ANDES-SN, Regina Ávila, secretária-geral do ANDES-SN, e Cesar Beras, 1º secretário da Regional Rio Grande do Sul do ANDES. Após a abertura, foi realizada a plenária de instalação, com aprovação do regimento, do cronograma e da pauta do 40º Congresso do ANDES-SN. No período vespertino, as e os docentes debatem a conjuntura na plenária no Tema I.

Apresentação cultural, homenagem e vídeos

Mais cedo, as e os congressistas puderam prestigiar a artista porto-alegrense Pâmela Amaro, que também é professora de teatro e sambista. Em suas músicas, Amaro saudou a ancestralidade, o poder popular e a formação de novas e novos líderes, invocando o poder transformador das e dos docentes. Ainda na ocasião, Marcos Goulart, funcionário do Sindicato Nacional e vítima da covid-19, em 2021, foi homenageado pelos presentes. Posteriormente, um vídeo foi exibido em homenagem às vítimas da Covid-19 que já ceifou mais de 659 mil vidas no país, assim como a exibição de vídeos das mobilizações contra a PEC 32 em Brasília (DF) e da Campanha “Defender a Educação Pública”. 

Durante a plenária, foi lançado o exemplar nº 69 da revista “Universidade e Sociedade”. Representantes da comissão executiva da revista apresentaram aos participantes um dos instrumentos de luta e formação do Sindicato Nacional.

FONTE: ANDES-SN
FOTOS: LÁZARO MENDES – IMPRENSA ANDES-SN




ASSEMBLEIA ELEGE DELEGAÇÃO DA ADUNICAMP PARA O 40° CONGRESSO DO ANDES-SN

Os delegados/as que representarão a ADunicamp no 40° Congresso do ANDES-SN, que ocorrerá entre os dias 27 de março e 1° de abril, em Porto Alegre, foram eleitos pela Assembleia Geral de docentes realizada nesta quinta-feira, 24 de fevereiro, com participação presencial e on-line. 

A presidenta da ADunicamp, professora Sílvia Gatti (IB), ressaltou a importância da participação da delegação no 40° Congresso. “Serão discutidos temas fundamentais para as universidades públicas brasileiras e também sobre o atual momento da política brasileira. E a ADunicamp tem que estar presente”, ponderou.

A professora Sílvia defendeu também que a delegação realize encontros e ações, assim que retornar, para apresentar à comunidade acadêmica da Unicamp os resultados de sua participação e as decisões tomadas no Congresso.

O 40° Congresso terá como tema “A vida acima dos lucros: ANDES-SN 40 anos de luta!” e debaterá em sua pauta principal quatro temas: Conjuntura e Movimento Docente; Planos de Lutas dos Setores; Plano Geral de Lutas; e Questões Organizativas e Financeiras.

Integrantes das delegações terão que apresentar comprovantes de vacinação completa contra a Covid-19 e exame PCR realizado, no máximo, três dias antes do início do encontro. A diretoria da ADunicamp também acompanhará rigorosamente o desenrolar da pandemia para assegurar que as medidas sanitárias definidas até o momento sejam adequadas quando da realização do Congresso.

A DELEGAÇÃO

A ADunicamp tem direito a uma delegação integrada por 11 docentes, com uma indicação feita pela Diretoria da entidade e as demais a partir de eleição em assembleia. “O número de integrantes da delegação é definido com base na quantidade de associados de cada entidade”, explicou o vice-presidente da ADunicamp, professor Paulo César Centoducatte (IC).

A professora Diama Bhadra Andrade Peixoto Do Vale (FCM) foi a delegada indicada pela Diretoria e a assembleia elegeu os seguintes nomes: André Kaysel Velasco e Cruz (IFCH); Edson Joaquim dos Santos (Cotuca); Alcides Hector Rodriguez Benoit (IFCH); Maria Silvia Viccari Gatti (IB); Nilo Sérgio Sabbião Rodrigues (FEA); Paulo Cesar Centoducatte (IC); Renato Peixoto Dagnino (IG); Silvia Cristina Franco Amaral (FEF) e Wagner de Melo Romão (IFCH).

Saiba mais sobre o 40º Congresso do ANDES-SN aqui




40º Congresso do ANDES-SN – Porto Alegre/RS – de 27 de março a 1º de abril de 2022

O 40º Congresso do ANDES-SN será o primeiro evento deliberativo presencial da entidade desde o início da pandemia de Covid-19 e terá como tema central “A vida acima dos lucros: ANDES-SN 40 anos de luta!”.

O Congresso ocorrerá de 27 de março a 1º de abril (domingo a sexta-feira), em Porto Alegre (RS), sob a organização da Seção Sindical do ANDES-SN na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

A realização do 40º Congresso em formato presencial no 1º trimestre de 2022 foi deliberada durante 12º Conad Extraordinário, em julho de 2021.

O Caderno de Textos será divulgado a partir do dia 17 de março e servirá de base para os debates preparatórios e aqueles que ocorrerão durante o 40º Congresso, que terá como pauta os seguintes temas: Tema I – Conjuntura e Movimento Docente; Tema II – Planos de Lutas dos Setores; Tema III – Plano Geral de Lutas; e Tema IV – Questões Organizativas e Financeiras.

Medidas Sanitárias e Delegação

Diante das condições impostas pela pandemia de Covid-19, a comissão organizadora do evento definiu que para ter acesso aos espaços do 40º Congresso, serão exigidos:

1) comprovante de vacinação de todo(a)s o(a)s delegado(a)s e observadore(a)s e/ou observadore(a)s suplentes de delegado(a) credenciado(a)s, e

2)  teste rápido, com material coletado até 72 horas antes da data da viagem.

Em breve, a ADunicamp realizará uma assembleia para eleger a delegação que participará do 40º Congresso do ANDES-SN. Fiquem atentos aos nossos comunicados e participe desta e outras atividades.




19 de Maio | Dia Nacional de Luta – A Educação Precisa Resistir

AGENDA

⏰ NO DIA 19 DE MAIO: A EDUCAÇÃO PRECISA RESISTIR
https://www.youtube.com/watch?v=5KPTlEtU11w

⌛ Materiais de divulgação do 19 de maio: https://mla.bs/c4be15a1

⏰ NO DIA 18 DE MAIO: Financiamento das Universidades Estaduais em tempos de ajuste fiscal
https://mla.bs/3a51c0c7


😁 Confira publicações da semana

📄 MATÉRIAS

🔖Comissão da Câmara analisa relatório sobre a sobre a reforma administrativa na segunda (17)
https://mla.bs/1f529273

🔖Instituições públicas de ensino ameaçam fechar as portas devido aos cortes orçamentários
https://mla.bs/c9b20f65

🔖 13M: Dia Nacional de luta e denúncia contra o Racismo é marcado por atos em todo o país
https://mla.bs/60e34e51

🔖Residentes estão em greve após dois meses sem receber do Ministério da Saúde
https://mla.bs/ae4139a8

🔖Vitória: Justiça concede liminar de reintegração de posse contra invasores de terra Guarani
https://mla.bs/041fc639

🔖MPF processa Abraham Weintraub, ex-ministro da Educação, por improbidade administrativa
https://mla.bs/a12876e0

🔍 NOTAS POLÍTICAS

✔NOTA DE REPÚDIO – Retirada de faixa na UFERSA
https://mla.bs/2c243568

✔ NOTA DA DIRETORIA DO ANDES-SN DE APOIO À GREVE DOS/AS RESIDENTES DA SAÚDE
https://mla.bs/17519a10

🎞 ASSISTA

📹 19 de maio – Dia Nacional em defesa da educação pública
https://mla.bs/acee8581

🤳 LIVES DA SEMANA




ELEIÇÕES DO ANDES-SN 2020 | DEBATE

Em virtude da proximidade das eleições do ANDES-SN e no intuito de ampliar as necessárias discussões democráticas, a ADunicamp (seção sindical) realizará um debate, por meios eletrônicos e com transmissão pela WEB, entre as chapas concorrentes, no dia 29 de outubro, quinta-feira, às 12 horas.
 
PARTICIPANTES
Representantes da Chapa 1Unidade para Lutar: em defesa da educação pública e das liberdades democráticas no debate
– Professora Rivânia Moura, candidata a Presidente
– Professora Michele Schultz, candidata a secretária da regional São Paulo
Representantes da Chapa 2: Renova ANDES
– Professora Celi Zulke TAffarel (UFBA) – candidata a presidenta;
– Professora Maria Caramez Carlotto (UFABC) – candidata a 3ª Vice presidenta nacional
 
MEDIAÇÃO
– Professor Andre Kaysel Velasco e Cruz (IFCH/Unicamp).
 
TRANSMISSÃO ON-LINE
www.facebook.com/adunicamp
www.youtube.com/adunicamp