1

Debate na ADunicamp – Terceirização e a Precarização do Trabalho

Confira no vídeo abaixo o debate sobre a PL 4330 e as MPs 664 e 665 que tratam da terceirização e precarização dos direitos trabalhistas.
Debatedores:
José Dari Krein (IE)
Ricardo Antunes (IFCH)
Sávio Machado Cavalcanti (IFCH)
Mediador:
Paulo Cesar Centoducatte – Presidente da ADunicamp
Evento realizado no auditório da ADunicamp, no último dia 29/05 e que contou com o apoio do coletivo Socializando Saberes para transmissão via web.

Acesse o canal da ADunicamp no Youtube
[button link=”https://www.youtube.com/channel/UCpbzEUBRR-zihfOZsaz5fOw” icon=”play-circle-o” color=”red”]Canal ADunicamp[/button]




Canal ADU: Confira o segundo debate do ciclo sobre as Comissões da Verdade

A ADunicamp, em conjunto com o DCE e o STU, organizou um ciclo de debates para discutir o papel das Comissões da Verdade.
O segundo evento ocorreu no dia 14/05 e teve como tema central as Comissões da Verdade nas Universidades.
Os debatedores foram:
Angélica Lovatto – Comissão da Verdade Unesp
Elídio Marques – Comissão da Verdade Andes-SN
Wilson Cano – Comissão da Verdade e Memória “Octavio Ianni” Unicamp
Confira o vídeo:

O debate foi realizado no auditório da ADunicamp e contou com o apoio do grupo Socializando Saberes -http://socializandosaberes.net.br




Canal ADU: Confira o primeiro debate do ciclo sobre as Comissões da Verdade

A ADunicamp, em conjunto com o DCE e o STU, organizou um ciclo de debates para discutir o papel das Comissões da Verdade.
A abertura foi dia 24/04 com um evento que contou com a participação do ex-deputado Adriano Diogo, representante da Comissão da Verdade de São Pulo “Rubens Paiva” e o Prof. Pedro Dallari, membro da Comissão Nacional da Verdade. Assista a baixo:

O debate foi realizado no auditório da ADunicamp e contou com o apoio do grupo Socializando Saberes –http://socializandosaberes.net.br
Saiba mais sobre o tema:
http://www.adunicamp.org.br/?cat=35




ANDES-SN lança vídeo sobre dívida pública e o orçamento da educação

andes_educaçãoComo forma de subsidiar o debate acerca do financiamento das universidades, em especial das Instituições Estaduais e Municipais de Ensino (Iees e Imes), o ANDES-SN produziu um vídeo (veja abaixo) que aponta como o sistema da dívida pública brasileira afeta o repasse de verbas do orçamento federal para a educação pública.
Os recorrentes ataques dos governos estaduais e municipais ao financiamento das instituições públicas de ensino superior, através, principalmente, da diminuição do repasse de verbas s, têm revelado o cotidiano de precarização das condições de trabalho e ensino nessas universidades. Essa realidade também é agravada pela lógica atual de priorização do governo federal de pagamento dos juros e amortizações da dívida pública brasileira em detrimento do investimento público nas áreas sociais.
“A dívida pública brasileira consome em torno de 43% do orçamento federal. Ela rebate nos estados, que hoje são grandes devedores da União. O preço dessa dívida inviabiliza o financiamento das políticas públicas. É um óbice à conquista de políticas universalistas. Trata-se de um gargalo para a democratização da sociedade brasileira”, aponta Epitácio Macário, um dos coordenadores do Setor das Instituições Estaduais e Municipais de Ensino Superior (Iees/Imes).
No mesmo sentido, Rodrigo Ávila, economista da Auditoria Cidadã da Dívida, destaca que hoje o dinheiro destinado ao pagamento da dívida pública federal é quatro vezes maior do que o montante das verbas destinadas aos estados e municípios. “Por isso, é insuficiente ficar discutindo qualquer política social sem resolver o chamado ‘sistema da dívida’”, afirma, referindo-se ao orçamento geral da união de 2013.
O vídeo, produzido pelo Sindicato Nacional a partir do debate sobre financiamento das universidades, no XII Encontro Nacional do Setor das Iees/Imes, realizado em setembro de 2014, visa instrumentalizar os docentes na luta pela educação pública de qualidade e socialmente referenciada. “Esse material é uma importante ferramenta de conscientização acerca dos graves problemas causados pela dívida pública brasileira. Ele pode ser amplamente utilizado em assembleias, reuniões, rodas de conversa, palestras e aulas. Pode ser muito útil para todos os movimentos sociais do Brasil que lutam por democracia e políticas públicas”, ressalta Macário.