Data: 21/09 (5ª feira) | 20 horas | Auditório da ADunicamp

Desde os anos 1970, com o surgimento de artistas como Geraldo Ribeiro, Renato Andrade e posteriormente, Roberto Corrêa, Paulo Freire e Ivan Vilela ouvimos a expressão: “a viola caipira entrou nas salas de concerto”. De fato, a contribuição desses violeiros para a abertura de um novo caminho para o instrumento é imensa e fundamental. A expansão da técnica de execução que esses artistas desenvolveram foi vital para a difusão do instrumento ao longo dos últimos quarenta anos, em diferentes gêneros musicais, desde a música instrumental, o rock, o jazz e a música erudita.

Nesse sentido, como seria então, se percorrêssemos esse caminho aberto por esses violeiros e encontrássemos uma forma de trazer parte da obra de J. S. Bach, um dos maiores compositores da história da música ocidental, para o bojo da Viola? Seria ainda mais interessante se pudéssemos trazer essa obra de tal forma em que os dois universos em questão: a complexidade e profundidade da música de Bach, e as sonoridades da viola brasileira, encontrassem um equilíbrio, se acomodassem de tal maneira que pudéssemos ouvir os dois mundos musicais unidos, minimizando perdas de linguagem, sem caricaturas e superficialidades. Tal qual a tradução de uma obra literária internacional para uma língua portuguesa, permeada de traços do regionalismo.

Essa é a proposta central deste projeto: criar um repertório, de certo modo inédito para a viola brasileira a partir do estudo e da “tradução” de obras de J. S. Bach para o instrumento. Este projeto é resultado de um longo estudo desenvolvido pelo instrumentistas, compositor e empreendedor musical Vinícius Muniz – artista versátil, com uma formação musical híbrida, estudou composição erudita e escrita histórica com renomados professores, mas sem deixar de lado as pesquisas das manifestações tradicionais da viola caipira. Por isso aceitou o desafio de construir esse repertório para viola, tomando como ponto de partida o conjunto de Sonatas e Partitas para violino solo de J. S. Bach
(BWV 1001-1006) completados em 1720 pelo compositor alemão.

Sinopse do Show

vinícius muniz | j.s.bach | viola brasileira

O instrumentistas, compositor e empreendedor musical Vinícius Muniz lança seu primeiro disco solo. No repertório, obras de J. S. Bach com traduções inéditas, feitas pelo músico, para a viola brasileira de dez cordas. Esse álbum é fruto de intenso trabalho de pesquisa musical desenvolvida pelo jovem músico de Santos-SP, mas radicado em Campinas-SP. A proposta do concerto é propor uma abordagem específica na obra de Bach a partir das técnicas e linguagens contemporâneas da viola brasileira. O resultado é uma sonoridade que busca equilibrar os dois universos culturais e musicais em questão: de um lado a obra de Bach, monumental na história da música ocidental, do outro as sonoridades da viola caipira e suas ligações com a cultura tradicional dos interiores do Brasil.

Além disso, como forma de revelar essa busca por aproximar da viola caipira da música de concerto, abre-se também um pequeno interlúdio dentro do espetáculo para a execução de outras obras ligadas ao pensar da música de concerto a partir da viola. O espetáculo conta ainda com um convidado especial, executando obras de Bach em arranjos inéditos para a formação.

Músicos participantes
VINÍCIUS MUNIZ – viola brasileira de dez cordas

Convidada
CECÍLIA MELO – flauta

Serviço
Data: 21/09 (5ª feira) | 20 horas | Auditório da ADunicamp

Biografia
Vinícius Muniz – instrumentista, compositor e empreendedor musical. Faz parte da nova geração de viola brasileira. Seu trabalho musical é fruto do diálogo profundo com diferentes universos artísticos, especialmente a música de concerto, a música brasileira e a música de vanguarda, sempre com a viola de dez cordas como porta-voz. Lançou em 2017 o álbum J.S.Bach | Viola Brasileira com traduções inéditas de obras do compositor alemão. Atuou no Viola Arranjada e na Orquestra Filarmônica de Violas – grupos com os quais gravou quatro álbuns e realizou concertos no Brasil e Portugal, além de atuar ao lado de grandes nomes da música brasileira como Nailor Proveta, Ivan Viela, Ná Ozzetti, Renato Braz, Fabio Presgrave, Lea Freire, entre outros. Recebeu diversos prêmios, como o Premio MIMO Instrumental 2016 em carreira solo e outros com grupos onde atuou. Estudou na UNICAMP (composição musical e mestrado), EMESP e na Universidad Pompeu Fabra (Barcelona-Espanha).