Nota Pública: A Escalada da Extrema Direita, a Defesa da Universidade e da Democracia

image_pdfimage_print

A(o)s nossa(o)s associada(o)s e à comunidade universitária,

A diretoria da Associação dos Docentes da Unicamp (ADunicamp) vem a público manifestar sua preocupação com a escalada da radicalização da extrema-direita no Brasil e as consequentes ameaças à universidade pública e à democracia. Como divulgado em matéria jornalística, veiculada pela TV-Globo, em 16/01/2022, a pesquisadora Adriana Dias assinalou que as células neonazistas e extremistas cresceram cerca de 270,6% no país, desde janeiro de 2019. A reportagem pode ser acessada no seguinte link: https://g1.globo.com › fantastico › noticia › 2022/01/16. A data, acima citada, não é, de modo algum uma coincidência, uma vez que tais agrupamentos têm sido abertamente estimulados pelo governo reacionário do Presidente Jair Bolsonaro, cujo discurso e as práticas autoritárias legitimam e encorajam a difusão do extremismo na sociedade brasileira.

No último dia 20/04, o Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) e o Observatório de Direitos Humanos da Unicamp, em nota conjunta, acusaram a presença de pixações de caráter neonazista e supremacista branco, em uma das pilastras de um dos prédios do referido Instituto. Já no dia 6/05, não por acaso um dia após a visita do ex-Presidente Lula a Unicamp, um grupo de motoqueiros da região de Campinas, conhecidos pelo uso de simbologia extremista/supremacista, invadiu um bar, em frente à moradia estudantil da universidade, disparando tiros para o alto. Contra essa ação, de caráter flagrantemente intimidatório, o movimento estudantil da Unicamp convocou um ato de repúdio, ocorrido no dia 13/05, contando com o apoio da ADunicamp e do Sindicato dos Trabalhadores da Unicamp (STU).

Tais fatos estão longe de serem eventos isolados e foram parte da maré montante do extremismo de direita que, diante de um quadro eleitoral amplamente desfavorável ao governo, em função de seu retumbante fracasso em atender as urgentes demandas do povo brasileiro, ameaça diuturnamente a própria realização das eleições e a continuidade da ordem constitucional. É nos mesmos marcos que se deve entender a realização, no município de Campinas, nos próximos dias 11 e 12/06, da III Conferência brasileira da Conservative Political Action Conference (CPAC), auto-intitulado “maior evento conservador do mundo”, mas, na prática, uma reunião da extrema-direita internacional, encabeçada por aqueles que, até hoje, não reconhecem a derrota de Donald Trump nas eleições estado-unidenses de 2020 e que se inspiram em governos autoritários de direita, como os de Victor Orban, na Hungria, ou de Jair Bolsonaro, no Brasil.

Também é no mesmo contexto que se deve entender as recentes atrocidades policiais, que culminaram com a morte de 26 pessoas na Vila Cruzeiro (RJ) e ao brutal assassinato de Genivaldo de Jesus Santos (SE), as quais contaram com explícito respaldo do atual mandatário do país.

Por fim, essa conjuntura explica os recentes e inaceitáveis cortes orçamentários no Ministério da Educação (MEC) e de Ciência e Tecnologia (MC&T), como iniciativa de um governo, desesperado para alimentar a sede de verbas de sua base parlamentar fisiológica, além de não perder uma ocasião para manifestar seu ódio à educação, à ciência, à cultura e a qualquer força que se oponha à barbárie que dissemina diariamente em nossa sociedade.

Diante de todos estes fatos e acontecimentos, a ADunicamp vem à público manifestar seu veemente repúdio ao extremismo nazifascista, à violência política e as investidas golpistas do executivo federal, contra as instituições da República e o processo eleitoral. Também reafirmamos nossos compromissos constitutivos com a defesa da universidade pública, gratuita, laica e socialmente referenciada, que tem sido, e seguirá sendo, uma das trincheiras democráticas com que pode contar a sociedade brasileira. Por fim, conclamamos toda(o)s forças progressistas, dentro e fora da comunidade universitária, a redobrar a vigilância, a proteção recíproca e a serrar fileiras contra o arbítrio, em defesa da educação, da ciência e da soberania popular. Não Passarão!

Diretoria da ADunicamp.

Campinas, 01/06/2022

2 comentários em “Nota Pública: A Escalada da Extrema Direita, a Defesa da Universidade e da Democracia”

  1. Nehy da Silva Martini

    Temos que denunciar e divulgar os fatos negativos do governo que estão dificultando e impedindo que a Democracia Brasileira possa funcionar

Comentários encerrados.

Rolar para cima