1

Fórum convoca ato unificado durante reunião do CO da Unesp e debate na Alesp

13/12 é dia de atividades importantes em São Paulo

Na Unesp, mantêm-se as incertezas em relação ao pagamento do 13º salário aos servidores estatutários. A Reitoria informa apenas que está aguardando manifestação do governador Márcio França sobre uma possível suplementação de recursos com este fim.
Solidárias com a situação dos servidores docentes e técnico-administrativos estatutários da Unesp, as entidades que compõem o Fórum das Seis estão convocando um ato estadual unificado para 13/12/2018, dia em que acontece uma reunião do Conselho Universitário (CO) da Unesp. No mesmo dia, na sequência, em torno das 11h30, faremos um ato/debate na Alesp, como você vê a seguir.
– 8h30, em frente à Reitoria da Unesp“Ato estadual unificado em defesa do 13º salário para todos”. Neste dia, haverá reunião do Conselho Universitário.
11h30, na Alesp (auditório Paulo Kobayashi)Ato debate “As universidades e a construção das liberdades democráticas”, com exposições sobre:
– Os 50 anos do AI5;
– Os 30 anos da Constituição de 1988;
– Os 30 anos da autonomia universitária das estaduais paulistas.
Participe das assembleias convocadas pela sua entidade e participe! Vamos dedicar o dia 13/12 para a defesa dos nossos direitos e da educação pública!
A ADunicamp está organizando caravana de docentes para as atividades do Fórum das Seis. Para vaga no transporte, basta entrar em contato com a funcionária Rose – rose@adunicamp.org.br / (19) 3521-2476 – e efetuar a reserva até às 15 horas do dia 11/12 (3ª feira).

Arrecadação segue em alta. Reitores seguem mudos

Embora tenham se comprometido formalmente com o Fórum das Seis a retomar as negociações no segundo semestre para debater o crescimento na arrecadação do ICMS e as possibilidades de aplicação do excedente, os reitores fazem de conta que não é com eles.
Na negociação de 13/6/2018, o Cruesp havia celebrado acordo com o Fórum de debater o destino do excedente considerando o arrocho nos salários, a necessidade de contratações, a retomada das carreiras, a permanência estudantil e outros. O compromisso ficou estabelecido no Comunicado Cruesp 3/2018.
Dados da Secretaria da Fazenda mostram que a arrecadação do ICMS no período janeiro/outubro de 2018 cresceu 7,20% em relação a janeiro/outubro de 2017. O mínimo que se espera, agora, é que os reitores cumpram a palavra empenhada na mesa de negociação e agendem uma reunião com o Fórum das Seis o quanto antes para debater este cenário.

Escola sem censura: Entidades criam comitê paulista

Em 22/11/2018, cerca de 60 pessoas, representando mais de 20 organizações de professores do estado de São Paulo – entre sindicatos, entidades e federações, além de coletivos independentes ou ligados a associações como os cursinhos populares.
A reunião, convocada pela Adusp, aconteceu na Faculdade de Direito da USP, em SP, com o objetivo de criar uma mobilização unitária contra o projeto “Escola sem Parti-do”. Entre os encaminhamentos, estão a criação de um comitê permanente, que vai se reunir periodicamente para avaliar e organizar os passos do movimento. Também será redigido um manifesto em defesa dos professores, a ser lançado numa plenária no dia 6/12, às 18 horas, no auditório da Apeoesp.
Boletim do F6 na versão PDF




Nota de esclarecimento sobre a declaração de bens

Tendo em vista as diversas consultas de Docentes acerca da obrigatoriedade/legalidade da apresentação de declaração de bens prevista na Resolução GR-027/2018, esclarecemos que:
1) A previsão legal de apresentação de declaração de bens pelo Servidor Público está prevista no Art. 13 da Lei 8.429/92 e a determinação da Universidade está em perfeita consonância com tal norma;
2) A exigência de tal declaração não se trata de mera opção da Universidade, mas sim de uma imposição legal atribuída aos agentes públicos como requisito para o exercício de função pública;
3) O Docente pode, ao invés de fazer a declaração junto à Universidade, entregar uma cópia de sua declaração anual de bens apresentada à Receita Federal;
4) A não apresentação da declaração de bens nos prazos estipulados, segundo a Resolução GR-027/2018, ocasionará a suspensão do pagamento dos vencimentos do respectivo Docente;
5) Segundo o § 3º do Art. 13 da Lei 8.429/92, a não apresentação de declaração ou a apresentação de declaração falsa pode gerar a aplicação de pena de demissão ao servidor;
6) A possibilidade do Servidor autorizar a administração à acessar suas declarações de Imposto Renda, tal como previsto no Decreto 5.483/2005, aplica-se somente aos servidores federais, uma vez que não há lei ou convênio estendendo tal possibilidade aos Docentes da Unicamp;
7) A ADunicamp está envidando esforços no sentido de garantir o devido sigilo das informações coletadas pela Universidade.
Wagner Romão – Presidente da ADunicamp
Rivadavio Guassú – LBS Advogados / Assessoria Jurídica da ADunicamp




ADunicamp realiza debate sobre rumos da democracia no Brasil

A professora Andréa Freitas (Ciência Política – IFCH) e os professores Ronaldo de Almeida (Antropologia – IFCH) e Piero Leirner (Antropologia – UFSCar) participaram nesta quarta-feira, 21, no auditório da ADunicamp, do debate intitulado ‘E agora? Os Rumos da Democracia no Brasil’.
O encontro foi mediado pelo presidente da ADunicamp, professor Wagner Romão, e os debatedores abordaram temas da sociedade e da política brasileira que têm sido alvos de seus estudos.
Andréa, mestre e doutora em Ciência Política pela USP, é especialista nas interações entre os poderes Executivo e Legislativo. Ela fez uma análise das principais forças políticas que assumirão o Congresso e o Senado a partir de janeiro. E apontou os prováveis caminhos da relação entre essas forças e o governo do presidente eleito Jair Bolsonaro.
Ronaldo, chefe do Departamento de Antropologia da Unicamp e Diretor Científico do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap), falou sobre as tendências que emergiram do tecido social nos últimos anos, com foco em uma de suas especialidades: a relação Religião/Política.
Já o professor Piero, mestre em Ciência Social e doutor em Antropologia Social pela USP, com ampla experiência na área de antropologia da guerra e sistemas hierárquicos, falou sobre o papel do Exército no atual quadro político brasileiro.
Para assistir, clique no player abaixo:




Dia Nacional de Luta contra o racismo nas IFES e IEES/IMES

Nesta terça (20) se celebra em todo o Brasil o Dia da Consciência Negra. A data, uma homenagem a Zumbi dos Palmares, lembra os séculos de lutas e resistências do povo negro contra a escravidão e o racismo no país. Zumbi dos Palmares e Dandara foram dois dos principais representantes da resistência negra à escravidão na época do Brasil Colonial e lideraram o Quilombo dos Palmares, comunidade livre formada por escravos fugitivos dos engenhos, indígenas e brancos pobres expulsos das fazendas.
A educação é palco de diversas lutas contra o racismo. Nas últimas décadas um dos temas mais debatidos pelo movimento negro foi a importância de criação de políticas afirmativas para combater o racismo estrutural. Uma dessas políticas foi a criação de cotas raciais para garantir a entrada de negros e negras na educação superior. A primeira universidade do Brasil a instituir o sistema de cotas foi a UERJ, as cotas viraram lei federal em 2013.
Nesse período, o percentual de pretos e pardos que concluíram a graduação cresceu de 2,2%, em 2000, para 9,3% em 2017, segundo o IBGE. Dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) também evidenciam o aumento do número de matrículas de estudantes negros em cursos de graduação. Em 2011, do total de 8 milhões de matrículas, 11% foram feitas por alunos pretos ou pardos. Em 2016 o percentual de negros matriculados subiu para 30%.
Cláudio Mendonça, 2º tesoureiro do ANDES-SN, afirma que a política de cotas é necessária, mas que ajustes são necessários. Para o docente, é necessário aumentar a garantia de acesso às instituições de ensino e melhorar as condições de permanência.
“O processo de constituição da universidade brasileira apartou e excluiu a população negra. A política de cotas conseguiu avançar no sentido de garantir o ingresso de negros e negras nas universidades. Entendemos que essas políticas precisam ser aperfeiçoadas de maneira a garantir também a permanência desses estudantes. Não adianta apenas entrar, é necessário permanecer. E isso passa pela defesa intransigente da educação pública e gratuita, com orçamento garantido pelo Estado. Queremos que a população negra entre nas instituições, se qualifique, e possa vivenciar as práticas de ensino, pesquisa e extensão”, diz.
Enegrecer também a produção de conhecimento
O 2º tesoureiro do ANDES-SN também lembra que há uma grave lacuna nas instituições de ensino no estudo de autores negros e na valorização do conhecimento produzido por cientistas de fora do eixo Europa-Estados Unidos.
“É importante destacar que o conhecimento que é produzido hoje na academia tem importância gigantesca, e não queremos substituí-lo ou eliminá-lo. Mas é importante que a academia entenda que existe produção de conhecimento fora da Europa e dos Estados Unidos. A África, a América Latina e a Ásia produzem conhecimento. E esse conhecimento tem que ser acessado, conhecido. É comum que as grades curriculares desprezem totalmente autores e autoras negros e negras. A política de cotas tem que estar casada com o aspecto curricular. Queremos que negros e negras sejam conhecidos e estudados na academia”, defende Cláudio Mendonça.
Importantes cientistas negros
Artigos publicados pela Geledés, Instituto da Mulher Negra, divulgam a importância histórica de negros e negras para a ciência. Um texto de Nelson Pascarelli Filho, por exemplo, lista uma série invenções, fundamentais para a vida contemporânea, desenvolvidas por cientistas negros e negras: o elevador, criado por Alexander Miles; a fornalha de aquecimento, criada por Alice Parker; o primeiro banco de sangue do mundo, estabelecido por Charles Drew; o bonde elétrico, criado por Elbert R. Robinson; o ar condicionado, inventado por Frederick Jones; a geladeira, inventada por John Standard; o dispositivo laser para cirurgia de cataratas, desenvolvido pela Dra. Patricia E. Bath.
Carlos Machado, autor do livro Ciência, Tecnologia e Inovação Africana e Afrodescendente, cita outros cientistas importantes. André Rebouças é considerado o pai da engenharia brasileira e inventou o torpedo. Joana D´Arc Félix de Souza é pós doutora em química orgânica de Harvard, trabalha na ETEC de Franca, e desenvolveu pele humana artificial a partir da pele de porco a preço acessível.
Violência contra a população negra
As citações acima contrastam com a violência contra a juventude negra no Brasil. Dados divulgados no início do mês pela Organização das Nações Unidas (ONU Brasil), durante o lançamento da campanha “Vidas Negras”, revelaram que a cada 23 minutos um jovem negro é morto no país. Os números são do Mapa da Violência 2016, da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso).
Os números apresentados pela campanha “Vidas Negras” são reveladores do racismo no Brasil: sete em cada dez pessoas assassinadas são negras. A cada duas horas, um negro com idade entre 15 e 29 anos é morto em ações violentas. De 2005 a 2015, enquanto a taxa de homicídios por 100 mil habitantes teve queda de 12% para os não-negros, entre os negros houve aumento de 18,2%. “A letalidade das pessoas negras vem aumentando e isto exige políticas com foco na superação das desigualdades raciais.”, afirma a campanha.
Dia de Luta contra o Racismo nas IES
O ANDES-SN deliberou durante o 63º Conad, realizado em julho na cidade de Fortaleza (CE), a construção de um Dia de Luta contra o Racismo nas Instituições de Ensino (IES). A data escolhida foi 22 de novembro, dia que marcou o início da Revolta da Chibata, liderado por João Cândido no Rio de Janeiro (RJ) em 1910.
“Nosso sindicato entende que a luta que realizamos deve discutir o que há relação direta com a nossa condição de docentes. O racismo não é algo secundário na sociedade brasileira. É algo que ataca, fere, diminui o sujeito. A população negra brasileira vivencia isso cotidianamente. O papel do ANDES-SN é mostrar à nossa base que a luta pelas condições de trabalho deve estar casada com a luta contra o racismo, o machismo, a homofobia. Toda relação que explora, domina e oprime os trabalhadores e trabalhadoras deve ser combatida pelo ANDES-SN”, diz Cláudio Mendonça.
Saiba mais
Assista ao documentário Narrativas Docentes – Memória e Resistência Negra:

Acesse aqui a Leia aqui a Cartilha do GTPCEGDS.
Acesse aqui a revista Universidade e Sociedade – Edição especial 62 – “130 anos da abolição da escravidão no Brasil: a resistência do povo negro e a luta por reparações”.
Abaixo, materiais para subsidiar os debates nas atividades do dia 22/11 – Dia Nacional de Luta contra o racismo nas IFES e IEES/IMES:
Panfleto da Campanha Contra o Racismo;
Cartaz da Campanha Contra o Racismo;
WHATSAPP da Campanha Contra o Racismo;
Cartaz da Campanha Contra o Racismo;
Card da Campanha Contra o Racismo;
Capa para Facebook da Campanha Contra o Racismo.




ANDES-SN divulga Caderno de Textos do 38º Congresso

O ANDES-SN divulgou, nesta terça-feira (20), o Caderno de Textos do 38° Congresso do ANDES-SN. O evento ocorrerá entre 28 de janeiro a 2 de fevereiro, em Belém (PA). O tema central do 38º Congresso será “Por Democracia, Educação, Ciência, Tecnologia e Serviços Públicos: em defesa do trabalho e da carreira docente, pela revogação da EC/95”.
[button link=”http://portal.andes.org.br/imprensa/noticias/imp-ult-849860280.pdf” bg_color=”#f00000″ window=”yes”]Confira aqui o Caderno de Textos[/button]
As contribuições enviadas até dia 10 de dezembro irão compor o Anexo ao Caderno de Textos, que será publicado em 17 de dezembro. Os textos deverão ser remetidos para a Secretaria do Sindicato Nacional por e-mail (secretaria@andes.org.br).
Conforme deliberação do 62º CONAD, a apresentação de textos referentes ao Tema I – “Movimento Docente, Conjuntura e Centralidade da Luta” também será admitida no Anexo ao Caderno de Textos. Para isso, o texto precisa ser oriundo de e aprovado em assembleia de base.
Credenciamento prévio
Na Circular 308/18, o ANDES-SN reafirma a importância do credenciamento prévio para facilitar a organização do evento. O período para envio da documentação regimental para inscrição de delegados, observadores e suplentes vai de 3 de dezembro a 22 de janeiro.
A ratificação ou retificação do credenciamento durante o evento ocorrerá no dia 28 de janeiro, das 9h às 12h e das 14h às 18h. Os critérios para a escolha dos participantes do 38º Congresso estão expressos nos artigos 16 e 17 do Estatuto do ANDES-SN.
[button link=”http://portal.andes.org.br/secretaria/circulares/Circ308-18.pdf” bg_color=”#f00000″ window=”yes”]Confira aqui a circular com as orientações[/button]




23 e 24 de Novembro/2018, na ADunicamp

O ANDES-SN realiza, nos dias 23 e 24 de novembro, o seu III Seminário de Ciência e Tecnologia. O evento ocorrerá na sede ADunicamp.
O tema central do seminário “Marco Legal e a Privatização da Ciência e Tecnologia no Brasil” será abordado em três mesas. A primeira tratará das questões jurídicas e dos enfrentamentos políticos com a participação de Ciro Teixeira Correia, da USP, e Adovaldo Medeiros Filho, da Assessoria Jurídica Nacional do ANDES-SN.
“A produção de Ciência no Brasil e os sistemas de avaliação” é o mote da segunda mesa, que terá como expositoras Luciana Rodrigues Ferreira, da EGPA, e Simone Maria da Silva, da UFRJ. Já a última mesa abordará o “Marco Legal de Ciência, Tecnologia e Inovação e as relações de trabalho”, com a participação de Claudio Ribeiro, da UFRJ, e Epitácio Macário, da Uece.
“O Marco Legal da CTI, de 2016, regulamentado pelo Decreto nº 9.283/18, promove um franco processo de privatização da C&T, contrário ao projeto de Universidade defendido historicamente pelo ANDES-SN. Da mesma forma, a avaliação do trabalho e da produção acadêmicas na lógica produtivista impacta o trabalho docente e o papel das IES, distanciando-as da sua função social”, explica Cristine Hirsch Monteiro, da coordenação do Grupo de Trabalho de Ciência e Tecnologia (GT C&T).
“Diante dos novos e acirrados ataques anunciados pelo governo recém-eleito, precisamos estar organizados, unidos, para enfrentar este cenário”, acrescenta a 2ª vice-presidente da Regional Nordeste 2 do ANDES-SN.
A diretora do Sindicato Nacional reforça ainda a importância da participação das seções sindicais no encontro. “Os temas das mesas devem abordados previamente nos GTs C&T locais para que as discussões sejam alimentadas com análises e propostas vindas da base, pois o III Encontro de C&T prevê trabalho em grupos mistos que, consolidados na plenária de encerramento, deverão indicar ações e articulações a serem apreciadas no 38º Congresso do ANDES-SN , visando incrementar a luta, no próximo período, em defesa da C&T pública e de seu financiamento com recursos públicos”, conclui.
Após o encontro, no domingo, ocorrerá reunião do pleno do GT C&T para avaliar o evento e organizar os encaminhamentos.
Confira aqui o material de divulgação.
Serviço
III Seminário de Ciência e Tecnologia – “Marco Legal e a Privatização da Ciência e Tecnologia no Brasil”

Data: 23 e 24 de novembro
Local: Auditório da ADunicamp –  Avenida Érico Veríssimo, 1479. Cidade Universitária, Campinas (SP).

Programação
23/11 (sexta-feira) – das 9h às 12h
MESA 1 – MLCTI: questões jurídicas e enfrentamentos politícos
23/11 (sexta-feira) – das 14h às 18h
MESA 2 – Produção de Ciência no Brasil e os Sistemas de Avaliação
24/11 (sábado) – das 9h às 12h
MESA 3 – MLCTI e Relações de Trabalho
24/11 (sábado) – das 14 às 17h
Grupos Mistos de Trabalho
24/11 (sábado) – das 17h30 às 19h
Consolidação dos Grupos de Trabalho



ADunicamp CLIPPING | 7 | de 12 a 14 de Novembro/2018

RESUMO DA SEMANA
Se intensifica o debate sobre o projeto Escola Sem Partido devido à votação na Câmara, por fim adiada, assim como novas propostas para o ensino à distância. Centrais sindicais anunciam mobilizações.


ADUNICAMP

Quarta, 14
Debate (21/11/2018) | E agora? Os rumos da Democracia no Brasil

Terça, 13
Presidente da ADunicamp participa de debate sobre mensalidade nas universidades públicas
Boletim:F6: Cruesp aderiu às ‘fake news’?


ANDES

Terça, 13
Centrais sindicais convocam mobilização em defesa da previdência para dia 22
Votação do PL Escola sem Partido na Câmara dos Deputados é adiada
Governador do Maranhão edita decreto para proibir ‘Escola sem Partido’ no estado

Segunda, 12
ANDES-SN participa de reunião organizada pela CNTE para discutir luta contra escola amordaçada


STU

Terça, 13
Boletim do STU Especial Consciência Negra – 2018 »


CENTRAIS SINDICAIS

Quarta, 14
Líderes progressistas se reúnem na Argentina para debater futuro da democracia

Terça, 13
‘Escola sem partido, no fundo, é de um só partido’, diz reitora da PUC-SP
Central repudia projeto de lei que quer impor a censura nas escolas

Segunda, 12
Paulo Freire é homenageado em escolas e universidades estrangeiras


ANPED

Segunda, 12
Moção de Repúdio à aprovação de diretrizes para o Ensino Médio pelo CNE
Entidades reivindicam ampliação dos recursos orçamentários destinados ao investimento em CT&I


AGÊNCIA PATRÍCIA GALVÃO

Segunda, 12
Bandeira de Bolsonaro, veto a abordagem de gênero sofre derrotas em série na Justiça


JORNAL DA USP

Terça, 13
Conselho Universitário aprova plano financeiro para os próximos quatro anos
Algoritmos apresentam capacidade além da previsão de cientistas


UNICAMP

Quarta, 14
Pesquisa vai identificar estresse na comunidade universitária

Terça, 13
Pesquisa mapeia inserção do setor privado nas redes estaduais de educação

Segunda, 12
Não é possível consolidar as bases de um ambiente acadêmico eficiente sem a garantia do livre debate”


USP

Terça, 13
Conselho Universitário divulga moção sobre liberdade e autonomia


CONGRESSO EM FOCO

Terça, 13
Após confusão, deputados encerram discussão do projeto escola sem partido…
Comissão que analisa projeto “Escola sem partido” suspende reunião


CARTA MAIOR

Quarta, 14
“Escola Sem Partido” é desautorização da profissão docente, afirma educador

Terça, 13
Abriu-se a porteira da absoluta ingovernabilidade no Brasil, diz Paulo Arantes
Conheça e participe da Ação Educação Democrática

Segunda, 12
A disputa de valores e o ataque às Universidades
Reforma trabalhista reduziu renda, não gerou empregoe precarizou trabalho(domingo, 11)
Decisão do MEC favorece empresários ao permitirensino médio à distância
Artigo:A força da história
Universidades vivem clima de denuncismo e temem repressão em sala de aula


LE MONDE DIPLOMATIQUE

Segunda, 12
Impunidade dos crimes da ditadura abriu brechas para o retrocesso atual


REVISTA FÓRUM

Quarta, 14
Memória de professora agredida por Bolsonaro vira símbolo de luta das mulheres

Terça, 13
Insper está ameaçado de perder apoio de empresários se Haddad voltar a lecionar


CONVERSA AFIADA

Terça, 13
Paraíba assina documento contra Escola sem Partido


FOLHA DE S. PAULO

Terça, 13
Escola sem Partido é adiado de novo na Câmara após 6 meses de análise e embates
Em novo recuo, Bolsonaro deve manter ensino superior no Ministério da Educação

Segunda, 12
STF pode antecipar destino da Escola sem Partido ao julgar lei semelhante de AL
Contra Escola sem Partido, governo do MA edita decreto por ‘escola sem censura’
Coluna:Três maiores grupos de educação do país perdem 105 mil alunos do Fies
Justiça de SP proíbe McDonald’s de fazer festas em creches e escolas
Recuperar orçamento da ciência é desafio para governo Bolsonaro
Bandeira de Bolsonaro, veto a abordagem de gênero sofre derrotas em série na Justiça


ESTADÃO

Quarta, 14
Blog:Quais valores e ideias são vistos como doutrinação pelo movimento Escola Sem Partido?
PT e 17 entidades repudiam manifesto dos promotores contra ‘professores militantes’
Schneider deve ficar na Secretaria de Educação de Covas

Terça, 13
Blog:Por que escolas democráticas e comprometidas com a formação de pessoas com pensamento crítico e autonomia moral e intelectual não podem aceitar as propostas do Escola Sem Partido?
Discussão de Escola Sem Partido tem bate-boca entre deputados e manifestantes
Entenda o que propõe o programa Escola Sem Partido

Segunda, 12
Governador do Maranhão edita decreto para ‘Escola Sem Censura’ no Estado
Aval para a faculdade do PRB
O consumo das relações entre famílias e escolas
Sobe para mais de 200 número de promotores e procuradores contra ‘professores ativistas’


CARTA CAPITAL

Terça, 13
Escola sem Partido, entre o Congresso e o Judiciário
‘Tempo sombrio vai ser longo no Brasil’, diz Milton Hatoum
Artigo:Cotas da esperança

Segunda, 12
Artigo:A caminho do hospício
Artigo:O parentesco desastroso para a educação
CNE libera EAD no ensino médio




Concertos 2018 | BURITI – Música Instrumental Brasileira (22/11)

A série Concertos ADunicamp apresentará, no próximo dia 22 de novembro (quinta-feira), o grupo BURITI – Música Instrumental Brasileira. O evento terá início a partir das 20 horas e a entrada é franca.
BURITI reúne os músicos Budi Garcia, Zé Alexandre Carvalho e Leandro Barsalini, professores do Departamento de Música da Unicamp. O trio apresenta arranjos instrumentais para canções consagradas do universo composicional brasileiro, contemplando os mais representativos compositores de nossa música como Tom Jobim, Dorival Caymmi, Vinícius de Moraes, Edu Lobo, Chico Buarque e Milton Nascimento, além de versões adaptadas para obras de Toninho Horta e João Donato. Dessa maneira, atende a um só tempo seus próprios anseios estéticos, e o desafio das possibilidades de conversão da canção ao formato instrumental. O trio dedica-se a propor sofisticados tratamentos harmônicos e soluções rítmicas contagiantes, explorando o rico e diversificado imaginário musical brasileiro.
SERVIÇO
BURITI – Música Instrumental Brasileira
BURITI TRIO / YOUTUBE
Data – 22/11 (quinta-feira)
Local – Auditório da ADunicamp
Horário – a partir das 20 horas
Entrada Franca




Debate (21/11/2018) | E agora? Os rumos da Democracia no Brasil

A ADunicamp realizará novo debate no dia 21/11 (quarta-feira), a partir das 19 horas. Desta vez, a temática será os rumos da democracia no Brasil. O evento contará com a participação da professora Andréa Freitas (Ciência Política – IFCH) e dos professores Ronaldo de Almeida (Antropologia – IFCH) e Piero Leirner (Antropologia – UFSCar). A mediação será feita pelo professor Wagner Romão, presidente da ADunicamp.
O debate, que será realizado no auditório da ADunicamp, terá transmissão ao vivo. Para acompanhar, basta acessar ao site da entidade ou as redes sociais da ADunicamp: Facebook, Twitter e Youtube.
Serviço
Debate: E Agora? Os rumos da Democracia no Brasil
Data: 21/11 (4ª feira)
Horário: 19 horas
Local: Auditório da ADunicamp
Sobre os(as) debatedores(as):
Andréa Freitas (Ciência Política – IFCH)
Pesquisadora e especialista em interações do Excutivo/Legislativo. Mestre e doutora em Ciência Política pela USP. Atualmente é professora no Departamento de Ciência Política IFCH/UNICAMP e coordena o Núcleo de Instituições Políticas e Eleições do Cebrap (Centro Brasileiro de Análise e Planejamento).
Ronaldo de Almeida (Antropologia – IFCH)
Especilista na relação Religião/Política, se tornou mestre em Antropologia Social pela Unicamp e doutor em Ciência Social (Antropologia Social) pela USP. Realizou seu pós-doutorado na École des Hautes Études en Sciences Sociales de Paris. Atualmente é chefe do Departamento de Antropologia da Unicamp e Diretor Científico do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap).
Piero Leirner (Antropologia – UFSCar)
Mestre em Ciência Social (Antropologia Social) USP, onde também se tornou doutor em Antropologia Social. Atualmente é professor associado IV da UFSCAR. Tem experiência na área de Antropologia com ênfase em antropologia da guerra e em sistemas hierárquicos, atuando principalmente nos seguintes temas: hierarquia, individualismo, estado, guerra e militares.
Não haverá sessão do cineclube neste dia




Presidente da ADunicamp participa de debate sobre mensalidade nas universidades públicas

O presidente da ADunicamp, professor Wagner Romão (IFCH) participou, nesta segunda-feira, 12, de um debate com o deputado eleito Kim Kataguiri (DEM), no auditório do Instituto de Computação da Unicamp. O debate, intitulado “Cobrança de Mensalidade nas Universidades Públicas: Solução ou Retrocesso?”, foi organizado pelo movimento Unicamp Livre, que convidou o professor Wagner para participar.
O presidente da ADunicamp defendeu, ao longo de debate, a universidade pública, gratuita, de qualidade e socialmente referenciada. Kim defendeu a cobrança de mensalidade nas universidades públicas para os estudantes de maior poder aquisitivo.
Assista a íntegra do debate, no player abaixo: