1

ADunicamp apoia trabalho do professor Carlos Fico que comprova a existência de tortura durante ditadura

A ADunicamp apoia o trabalho desenvolvido pelo historiador e pesquisador da UFRJ, Carlos Fico, que com base na análise de centenas de horas de áudios de sessões do STM (Superior Tribunal Militar), ocorridos durante a ditadura militar e coletados por ele, comprovam que os ministros militares tinham conhecimento da tortura de presos políticos no Brasil.

Os áudios, recentemente divulgados pela jornalista Miriam Leitão, comprovam que a prática de tortura era conhecida dos altos comandos militares e não apenas fatos isolados, o que configura a existência de uma política repressiva de Estado, que a aceitava durante a ditadura.

A ADunicamp repudia também as declarações do vice-presidente da República, general Hamilton Mourão e do atual presidente do STM, Luís Carlos Gomes Mattos, que trataram como “coisa do passado” e até com ironia e jocosidade as revelações dos áudios.

A ADunicamp defende o esclarecimento e a punição de governos e de agentes de crimes de Estado e de todas as formas de abuso do poder, contrários aos direitos humanos e à constituição de uma cultura democrática no país. A História não pode ser escondida. Tem que ser permanentemente conhecida e debatida para que crimes semelhantes jamais se repitam.  




ADunicamp repudia atentados ao acampamento Marielle Vive! e pede rigor na apuração dos casos

A ADunicamp repudia com veemência os atentados a tiros praticados contra o acampamento Marielle Vive!, em Valinhos, e se une aos/às moradores/as e a todas as entidades que exigem uma apuração imediata dos fatos e a rigorosa punição dos responsáveis.

O primeiro atentado ocorreu na madrugada deste domingo, 10 de abril, quando um homem ainda não identificado parou o carro e disparou vários tiros contra a portaria do acampamento, colocando em risco a vida de várias pessoas que se encontravam no local no momento e tiveram que se jogar no solo para não serem atingidas. Horas depois, na noite do domingo, novos disparos foram feitos, mas ninguém conseguiu identificar de onde eles partiram.

O MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), que apoia e trabalha na organização do acampamento, avaliou que os atentados tenham sido motivados por uma tentativa de intimidação para que as famílias desocupem a área ou, então, por um “ataque direto neofacista”.

O Marielle Vive! abriga mais de mil homens, mulheres, jovens e crianças que cultivam seus próprios alimentos na horta agroecológica e garantem para todos/as três refeições diárias. Ocupada em 2018, a área improdutiva e degradada tem sido recuperada e preservada pela ocupação.

Em um momento de polarização política e ideológica como este que o Brasil vive, e mais exacerbado em ano eleitoral, a ADunicamp defende a ação rigorosa das autoridades na apuração dos atentados e a adoção de medidas imediatas de proteção às 450 famílias que vivem no local.




CR aprova balancetes e destaca Ações Solidárias da ADunicamp

O CR (Conselho de Representantes), reunido nesta terça-feira, 22 de março, aprovou os balancetes financeiros da ADunicamp referentes aos trimestres: setembro, outubro e novembro/ 2021 e dezembro/2021, janeiro e fevereiro/2022. Os balancetes já haviam sido analisados e aprovados pela Comissão de Finanças constituída por integrantes do CR.

O destaque especial dos balancetes foi o amplo leque de ações solidárias realizadas pela ADunicamp no curso da pandemia da Covid-19. A importância das ações foi ressaltada pela presidenta da entidade, professora Silvia Gatti (IB), e por conselheiros e conselheiras que participaram da reunião.

As ações foram aprovadas pelo CR (relembre neste link) e começaram a ser disparadas no início da pandemia, em 2020, e ainda prosseguem. Elas vão desde doações de cestas básicas, materiais e EPIs, apoio a estudantes da Unicamp em dificuldades agravadas pela pandemia, até a compra semanal de alimentos para o Restaurante Comunitário São Marcos, que oferece 250 refeições diárias para pessoas carentes.

Prêmio Reconhecimento ADunicamp – Prof. Mohamed Habib

Um importante relato feito pela professora Silvia Gatti, durante a reunião com o CR, foi sobre a entrega da premiação realizada no último dia 15 de março (confira o vídeo neste link). A professora Silvia destacou os projetos premiados (que serão divulgados no site da ADunicamp em breve), a importância da realização dessas ações e indicou que, nos próximos dias, será formada uma nova comissão, a qual terá a tarefa de avaliar o formato do prêmio e indicar possíveis mudanças para a próxima edição.

Por fim, a professora Sílvia relatou o último encontro das entidades do Fórum das Seis que deliberou sobre a construção da nova pauta de reivindicações para a Data Base/2022.

Em breve, a pauta será divulgada amplamente para o corpo docente da Unicamp e será discutida em assembleia a ser convocada par o início de abril.

Moções

O CR aprovou também duas moções encaminhadas por integrantes do conselho. São elas:

Moção 1

O CR (Conselho de Representantes) da ADunicamp manifesta-se solidário aos diversos atos realizados para marcar os quatro anos do brutal assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes e repudia a lentidão das investigações. O ritmo das mesmas deve ser acelerado, mesmo que estas envolvam a família do Presidente.

Moção 2

Sidney Possuelo, ex-presidente da FUNAI e um dos maiores sertanistas e indigenistas do país, devolveu a medalha ao mérito indigenista que recebeu do Governo Federal há 35 anos. Foi uma atitude em protesto contra a decisão do ministro da Justiça, delegado Anderson Torres, de conceder a honraria ao presidente Bolsonaro. Outras autoridades governamentais também receberam a medalha, incluído Torres (autoconcessão!!).

O CR (Conselho de Representantes) da ADunicamp e também sua diretoria repudiam esta atitude hipócrita de concessão da honraria a integrantes de um governo genocida que ataca todos os dias as populações indígenas das mais diversas formas, incluindo a tolerância com o assassinato de suas lideranças.

O Conselho de Representantes e a diretoria enaltecem a atitude de Sidney Possuelo e o parabenizam por sua coerência e valentia.




ADunicamp repudia possível esquema de repasse de verbas do MEC a pastores ligados a Bolsonaro

A ADunicamp manifesta publicamente o seu total repúdio ao suposto esquema de repasse de verbas, revelado nos últimos dias por órgãos da imprensa brasileira que noticiaram um dos maiores escândalos do atual governo brasileiro, expondo evidências de esquema informal de repasse de verbas possivelmente ilegais do MEC.

As denúncias contêm áudios em que o ministro da Educação, Milton Ribeiro, declara priorizar repasses negociados por dois pastores que supostamente atuariam nesse esquema de obtenção de verbas públicas.

Os áudios mostram fortes indícios de corrupção no Ministério da Educação, envolvendo Gilmar Santos e Arilton Moura, os dois pastores, sem vínculos formais com o governo e que negociariam os repasses junto a prefeituras, mais uma prática imoral de desvio de recursos públicos do governo Bolsonaro.

Desde o início do governo, o projeto de desmantelamento da Ciência e Educação é praticado cotidianamente pelos ministros anteriores seguidores do astrólogo negacionista.

Não podemos aceitar a existência de tais gabinetes paralelos e tráficos de influência religiosa, beneficiando “amigos do pastor”. É imprescindível que o fato seja apurado e se for constatado atos de corrupção que os envolvidos respondam à altura das Leis.




ADunicamp repudia declarações misóginas, racistas e preconceituosas do deputado Arthur do Val

A ADunicamp soma a sua voz às milhares de manifestações de repúdio às declarações sobre as mulheres ucranianas expressadas pelo deputado estadual paulista Arthur do Val (Podemos), conhecido como Mamãe Falei, no momento em que se encontrava na Ucrânia, diante de uma legião de pessoas refugiadas, a maioria do sexo feminino.

A fala expressada por ele de que as mulheres ucranianas “são fáceis porque são pobres”, além da abominável misoginia machista, revela também um preconceito social que não pode ser tolerado, ao apontar claramente o desejo da exploração sexual de uma classe social a partir da vulnerabilidade da pobreza. Como se não bastasse, na mesma declaração, ele diz que as mulheres ucranianas são mais bonitas do que as brasileiras, pois são “loiras e de olhos azuis”, expressão do mais puro e intolerável racismo.

As declarações, gravadas em um vídeo que ele enviou para seus amigos do MBL (Movimento Brasil Livre), se tornam ainda mais graves e aumentam a necessidade de serem permanentemente combatidas, pois partiram de um deputado eleito com quase meio milhão de votos e que sempre, em seu canal no Youtube, o Mamãe Falei, expressou opiniões misóginas e preconceituosas semelhantes.

A grande votação que teve mostra que esse tipo de pensamento e essa sucessão de preconceitos expressos em uma única declaração têm ancoragem em, pelo menos, grande parte de seu eleitorado e na cultura de origem escravocrata da qual o Brasil ainda não conseguiu se libertar.

Para a ADunicamp, o combate a toda forma de misoginia e preconceito deve ser diário e em todos os nossos ambientes: em casa, na escola, nas ruas, no trabalho.




Moção contra homenagem a Olavo de Carvalho recebe apoios de Docentes, Ex-reitores e Professores Eméritos da Unicamp

A pedido do professor Caio Toledo (IFCH), a ADunicamp publica novamente a moção aprovada pelo CR (Conselho de Representantes) da entidade ‘Contra a Homenagem a Olavo de Carvalho’, encaminhada ao prefeito Dário Saadi (Republicanos), agora com cartas de apoio de docentes da Unicamp.

A proposta de instalação de um busto do escritor e astrólogo Olavo de Carvalho, ideólogo da extrema-direita e negacionista da ciência, foi idealizada pelo vereador Nelson Hossri (PSD).

Confira abaixo a moção na íntegra e as mensagens de os/as apoiadores/as:

MOÇÃO CONTRA A HOMENAGEM A OLAVO DE CARVALHO

Por meio desta Moção, aprovada pelo Conselho de Representantes da Associação de Docentes da Unicamp (ADunicamp), os docentes reunidos no dia 23 de fevereiro de 2022 solicitam, respeitosamente, que o Exmo. Senhor Prefeito de Campinas não concretize uma proposta a ele encaminhada que visa à construção e instalação na cidade de um busto em homenagem ao sr. Olavo Luiz Pimentel de Carvalho.

Consideramos injustificável e descabida a aludida proposta de homenagem, pois uma análise criteriosa da trajetória jornalística do sr. Olavo de Carvalho demonstra que o ensaísta não reúne nenhuma qualificação científica, cultural, política ou moral para ser honrado pela população de Campinas.

Ideólogo da extrema direita brasileira, sempre defendeu veementemente a ditadura militar e, incondicionalmente, apoiou a política de terror que – notadamente, a partir do AI 5 – se manifestou por prisões arbitrárias, desaparecimentos e assassinatos, assim como pelo sistemático exercício da tortura contra brasileiros e brasileiras que lutavam pela redemocratização do país.

Lembre-se que, nos anos recentes, o blogueiro foi um destacado porta-voz de setores da direita radicalizada que – nas ruas e nas redes sociais – continua defendendo a volta dos militares ao poder, um novo AI 5, o fechamento do STF e do STE, a censura aos meios de comunicação, o fechamento de partidos políticos de oposição e a sistemática repressão a toda forma de pensamento crítico e democrático.

Destituídos de qualquer consistência científica e filosófica, os escritos do astrólogo-ensaísta e autoproclamado filósofo buscam desqualificar decisivos sistemas filosóficos, desde o pensamento clássico à atualidade, e desdenham as descobertas e contribuições científicas de Newton, Giordano Bruno, Galileu e outros.

Recentemente, em janeiro de 2019, publicou um vídeo em que, de forma canhestra e caricatural, tenta “refutar” a teoria da relatividade e o heliocentrismo. Em várias ocasiões, afirmou também não ter conseguido encontrar nada que refute o terraplanismo. Nos meios acadêmicos e culturais sérios e responsáveis, é consensual que o conjunto de escritos assinados pelo sr. Olavo de Carvalho mais se aproxima do obscurantismo, da bizarrice, do ressentimento e da irrelevância cultural e científica.

Examinemos, por exemplo, como o astrólogo-ensaísta trata a grave e dramática situação de saúde que afeta todo o planeta.

Diante do avanço da crise sanitária representada pela Covid-19, os escritos e falas desse panfletário sempre negaram a sua dramaticidade e jamais se comoveram com as milhões de mortes em todo o mundo – seja no conjunto do país, seja na cidade de Campinas. Como um dos expoentes do negacionismo científico e um crítico radical da vacinação contra a Covid-19, afirmou em 23/4/2020: “essa campanha para nos proteger da pandemia é o mais vasto e mais sórdido crime já cometido contra a espécie humana inteira”. Ou ainda: “O medo de um suposto vírus mortífero não passa de historinha de terror para acovardar a população e fazê-la aceitar a escravidão como um presente de Papai Noel”. Outras tantas afirmações ignominiosas como essas foram por ele escritas e difundidas em suas lives, entrevistas, e por blogs de direita que ainda o apoiam, incondicionalmente.

Impõe-se, pois, a indagação, Exmo. Senhor Prefeito: é aceitável e responsável que a cidade de Campinas renda algum tipo de homenagem a quem, de forma sistemática e fanatizada, repudia os valores democráticos e nega a contribuições da ciência e da tecnologia que, socialmente aplicadas por governos democráticos, podem beneficiar a saúde e salvar a vida de milhões de homens e mulheres?

Por último, entendemos que a notoriedade nacional alcançada pelo cidadão campineiro Olavo de Carvalho não deve ser justificativa para ser ele homenageado pela Prefeitura desta cidade, cuja população preza as liberdades democráticas e deseja uma sociedade mais justa, mais tolerante e mais solidária.

CARTAS DE DOCENTES DA UNICAMP AO PREFEITO DE CAMPINAS, CONTRA A VEXATÓRIA HOMENAGEM À OLAVO DE CARVALHO

EX-REITORES E VICE-REITOR

  • HERMANO TAVARES

Sr. Prefeito de Campinas / Dr. Dário Saad, 
Concordo integralmente com a mensagem que lhe foi encaminhada pelo Professor Alvaro Crosta.
Solicito igualmente que tal homenagem não prospere. 
Atenciosamente.
Hermano Tavares

  • CARLOS VOGT

Colegas, amigas e amigos,
Nenhuma homenagem cabe neste caso! Favorável à moção, contra o despropósito!
Abraços,
Carlos Vogt

  • MARCELO KNOBEL

Exmo. Senhor Prefeito, Dário Jorge Giolo Saadi
Estou plenamente de acordo com a moção aprovada pela Adunicamp, contra a homenagem a uma pessoa que não deu absolutamente nenhuma contribuição ao mundo, ao país, e muito menos à cidade de Campinas. Sou veementemente contrário a esta pretensa homenagem, que certamente teria consequências muito ruins para a imagem da cidade.
Atenciosamente,
Prof. Dr. Marcelo Knobel

  • ALVARO CRÓSTA

Sr. Prefeito de Campinas Dr. Dario Saad
Venho encaminhar, e reiterar de modo enfático, a Moção em anexo, aprovada em Assembleia do CR da ADunicamp em 23/02/2022.
Destaco a natureza injustificável e descabida da referida proposta de homenagem, conforme está bem fundamentado no texto da Moção.
Não podemos permitir que a nossa querida cidade de Campinas seja submetida a uma situação vergonhosa e vexatória na eventualidade dessa homenagem prosperar.
Atenciosamente, 
Prof. Alvaro P. Crósta
Instituto de Geociências da UNICAMP – Ex-Coordenador Geral (vice-reitor) da UNICAMP (2013-2017) – Campinas, SP – Brasil

HONORIS CAUSA

  • ELZA SALVATORI BERQUÓ

Exmo. Sr. Prefeito de Campinas 
Dr. Dario Saad
Na qualidade de Doutora Honoris Causa da UNICAMP, manifesto meu total apoio à Moção aprovada em Assembleia do Conselho de Representantes da ADunicamp no dia 23/02/2022, sobre a proposta de construção de um busto em homenagem ao sr. Olavo de Carvalho, idealizador da ditadura militar.
Seria uma injustiça inadmissível permitir que a cidade de Campinas homenageie este ideólogo sem nenhuma relevância cultural e científica, como muito bem descrito na Moção do Conselho de Representantes da Associação de Docentes da Unicamp, que segue em anexo. 
Atenciosamente, 
Elza Salvatori Berquó
Pesquisadora NEPO/Unicamp

PROFESSORES EMÉRITOS

  • ROGÉRIO CEZAR DE CERQUEIRA LEITE

Prezado Sr. Prefeito de Campinas Dr. Dário Saadi,
Venho pela presente anunciar o meu completo apoio à carta da ADunicamp sobre Olavo de Carvalho.
Fui uma vez homenageado como Cidadão Honorário de Campinas e caso se perpetue a oferenda ao referido Olavo de Carvalho, homem indigno da nacionalidade brasileira, terei que pedir exoneração de meu título.
Atenciosamente,
Prof. Rogério Cezar de Cerqueira Leite

  • DERMEVAL SAVIANI

Sr. Prefeito de Campinas, Dr. Dário Saad:
Tendo recebido da Câmara Municipal o honroso título de cidadão campineiro e na condição de e ex-Diretor Associado da Faculdade de Educação e Professor Emérito da UNICAMP, venho à sua presença para reiterar incisivamente os termos da Moção aprovada pela Associação de Docentes da UNICAMP que lhe foi enviada pelo Vice-Reitor, Prof. Álvaro Crósta. De fato, como cidadão honorário de Campinas não posso aceitar o opróbrio de ver nossa cidade homenageando alguém que se caracterizou pela defesa da barbárie contra o mais comezinho princípio da dignidade humana.
Atenciosamente,
Dermeval Saviani,
Prof. Titular Colaborador Permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação da UNICAMP.

  • MARIA STELLA MARTINS BRESCIANI

Tenho certeza de que o Sr. Dário Jorge Giolo Saadi seja uma pessoa de bom senso…. Esperamos dele uma rejeição enérgica e definitiva.
Cordialmente
Maria Stella Bresciani, IFCH

  • RODOLFO ILARI

Ao exmo. Sr. Dr. Dário Jorge Giolo Saadi
M.D. Prefeito Municipal da Cidade de Campinas
Senhor Prefeito,
Olavo de Carvalho fez circular em 2020 a seguinte frase em seu Twitter:
“O medo de um suposto vírus mortífero não passa de historinha de terror para acovardar a população e fazê-la aceitar a escravidão como um presente de Papai Noel”.
É uma amostra mortífera da “profunda sabedoria” com que nos presenteou esse pretenso filósofo que alguns querem ver homenageado com um monumento nesta cidade.
A função dos monumentos é preservar a memória de quem promoveu avanços no conhecimento, na busca de uma convivência mais humana, na promoção de um mundo mais justo. Olavo de Carvalho fez exatamente o oposto, por isso a iniciativa de um monumento é absurda e indecorosa; a cidade de Campinas tem um nome para honrar e não merece ser associada a homenagens desse tipo.
Do senhor, que além de Prefeito Municipal de Campinas, é um médico respeitado, espero sinceramente que atue para que esse projeto absurdo não prospere. Rodolfo Ilari,
eleitor em Campinas,
Professor Colaborador,
Professor Emérito da Unicamp.

  • CARLOS RODRIGUES BRANDÃO

Ao Sr. Prefeito da Cidade de Campinas,  
Sou natural do Rio de Janeiro, mas vivo em Campinas desde 1973.
Sou professor emérito da UNICAMP. E mesmo aposentado desde 1967 sigo trabalhando como “professor colaborador“.
O atual Governo tem pautado a maior parte de suas ações não apenas por lastimáveis atos políticos, como também por uma coleção de atos culturais de tal baixo nível que o Brasil a cada dia mais torna-se o modelo das nações menos culturalmente dignas de qualquer atenção.
Soube que esta Prefeitura pretende construir um busto em louvor a Olavo de Carvalho.
Confio em sua pessoa e espero que a municipalidade não cometa este atentado de visível comprovação de ignorância cultural. 
Neste sentido, venho unir-me a outros companheiros de trabalho da UNICAMP e a outras pessoas desta Cidade, deste Estado e deste País.
 atenciosamente, Carlos Rodrigues Brandão

  • ANTÕNIO AUGUSTO ARANTES NETO

Junto-me à oportuna manifestação ora encaminhada pela ADunicamp à Prefeitura Municipal de Campinas no sentido de que o Poder Público Municipal não dê andamento ao pedido esdrúxulo de que erga monumento à memória de um charlatão, que prestou grande desserviço ao país ao atiçar, incansavelmente, o fogo que vem consumindo a vida de mais de 650 mil pessoas de todos os grupos etários, gêneros, etnias e regiões do Brasil, em pouco mais de um ano e meio de pandemia; alguém que regozijou-se insultando a inteligência das pessoas de bom-senso, propagando absurdos fantasiosos e mentiras maldosas, em defesa de seus próprios interesses e dos de seus acólitos. 
Campinas é um marco nacional na defesa da ciência, das artes e da inovação. Ginásio Culto à Ciência, monumento Paulista e Campineiro, tanto por mérito de sua arquitetura, quanto por ter abrigado o pensamento Positivista de Auguste Comte.
UNICAMP e PUCCAMP, dois baluartes em defesa do progresso das ciências, letras e artes. Berço de Carlos Gomes, e cidade de músicos de todos os gêneros. Que sentido há em homenagear um terraplanista do século 21, em ambiente dessa estatura?
Antônio Augusto Arantes Neto
Professor Emérito da UNICAMP. 
Ex-Presidente do IPHAN, CONDEPHAAT e CONDEPACC, ABA e ALA

  • JOSÉ MÁRIO PEREZ

    Sr. Prefeito de Campinas
    Dr. Dario Saadi
    Manifesto meu apoio à MOÇÃO aprovada pelo Conselho de Representantes da Associação de Docentes da Unicamp relativa a qualquer tipo de homenagem ao Sr. Olavo de Carvalho. 
    Atenciosamente
    José Mario Martínez,
    Professor Emérito IMECC-UNICAMP

EX-DOCENTES

  • PAULO SÉRGIO PINHEIRO

Excelentíssimo Senhor
Doutor Dário Saadi
Prefeito de Campinas 
Senhor Prefeito, durante o período de 1971 até 1983 tive a honra de ser professor de ciência política, chefe de departamento de ciências sociais e diretor do Arquivo Edgard Leunroth de História Social, na UNICAMP.
Laços familiares de minha mulher e filhos me ligam estreitamente a Campinas faz 50 anos.
Durante muito tempo, tive a satisfação de viver em Campinas e pude me aproveitar da vibrante vida cultural da cidade, com seu formidável legado de de história republicana e civilização.
Duas das melhores universidades brasileiras, a UNICAMP e a PUC- Campinas estão ali situadas com sua vasta quantidade de docentes e de estudantes. Campinas é uma cidade da ciência.
Seria lamentável que Campinas venha homenagear um embusteiro, o sr.Olavo de Carvalho,  que viveu a vida e inteira fazendo pregações contra a ciência. Campinas igualmente tem uma larga tradição de democracia , que seria maculada pela celebração daquele que foi um arauto  e ativo promotor do autoritarismo com sua esteira de obscurantismo  e ódio.
Desse modo, venho expressar minha total identidade com a moção da ADUNICAMP apelando a V. Exa. para  a anulação daquela homenagem.
Aproveito para expressar meus protestos de elevada estima e distinta consideração, despedindo-me muito.
atenciosamente,
Paulo Sérgio Pinheiro 

  • MARIA MANUELA DA CUNHA

Sr. Prefeito de Campinas 
Dr. Dario Saad
Apoio a moção contra qualquer homenagem a Olavo de Carvalho
Manuela Carneiro da Cunha

DOCENTES EM ATIVIDADE

  • LUIZ CARLOS DIAS

Excelentíssimo Dr. Dario Jorge Giolo Saadi, Prefeito de Campinas,
Venho por meio desta, manifestar meu total apoio à Moção aprovada em Assembleia do Conselho de Representantes da ADunicamp no dia 23/02/2022, contra a vergonhosa proposta de homenagem ao Sr. Olavo de Carvalho.
Cordialmente,
Luiz Carlos Dias
Professor Titular do Instituto de Química (Unicamp)
Membro Titular da Academia Brasileira de Ciências (ABC)
Comendador da Ordem Nacional do Mérito Científico (Presidência da República)

  • SUZI FRANKL SPERBER

Excelentíssimo Senhor Dário Jorge Giolo SaadiPrefeito Municipal de Campinas, São Paulo.
Como docente da Unicamp desde 1975, atual professora colaboradora tanto no IEL (Instituto de Estudos da Linguagem) como no IA (Instituto de Artes), manifesto meu mais irrestrito apoio à MOÇÃO (anexada), que a direção da Adunicamp acaba de enviar a seu Gabinete.
A homenagem a Olavo de Carvalho significará um escárnio à população da cidade de Campinas! 
Respeitosamente,
Suzi Frankl Sperber 
Profa. Titular em Teoria e Crítica Literárias. IEL e IA UNICAMP 

  • RACHEL MENEGUELLO

Exmo. Senhor Prefeito, Dário Jorge Giolo Saadi
Venho reiterar, de modo enfático, a Moção em anexo, aprovada em Assembleia pela ADunicamp em 23/02/2022, que afirma a descabida proposta de homenagem.
Com firme indignação, pergunto, como a cidade de Carlos Gomes e de Guilherme de Almeida, entre outras personalidades que contribuíram para a humanidade tornar-se mais sábia, pode aventar homenagear alguém sem qualquer contribuição positiva ao país e a essa cidade?
Saudações cordiais
Rachel Meneguello
Professora Titular em Ciência Política e atual Pró-Reitoria de Pós-Graduação

  • ITALA LOFFREDO D´OTTAVIANO

Excelentíssimo Senhor
Dr Dário Jorge Giolo Saadi
Prefeito Municipal de Campinas
São Paulo.
Como cidadã campineira, fiquei profundamente abalada quando tomei ciência da proposta que lhe foi entregue, por vereador de nossa cidade, de homenagem a ser prestada ao Sr. Olavo de Carvalho.
Manifesto aqui meu irrestrito apoio à Moção da Associação de Docentes da Universidade Estadual de Campinas – ADunicamp, aprovada em Assembleia da entidade em 23 de fevereiro passado e contrária à pretensa homenagem, e reitero enfaticamente seus termos.
Olavo de Carvalho representa, para nós, o negacionismo filosófico-científico, o autoritarismo, o obscurantismo e a apologia da barbárie, do ódio e do desrespeito à dignidade humana. Qualquer homenagem a esse senhor, em nome de nossa cidade, seria vergonhosa e vexatória.
Sempre tive muito orgulho em ser campineira, em ter sido Secretária de Educação do Município (período 1976-1977) e em ter dedicado minha vida profissional e acadêmica à Unicamp. Como membro eleita de relevantes academias filosóficas brasileiras e internacionais, posso afirmar, sem qualquer restrição, que esse senhor, que se intitulava “filósofo”, nunca teve qualificação intelectual e cultural para ser sequer considerado pela comunidade filosófica nacional e internacional.
Estou certa de que VSa será sensível a nosso apelo e desconsiderará a referida proposta de homenagem.
Atenciosamente,
Prof. Itala M. Loffredo D’Ottaviano
Professora Titular (Colaboradora) em Lógica e Fundamentos da Matemática – IFCH, Unicamp
Ex-Pró-Reitora de Pós-Graduação 

  • LUIS BENEDICTO LACERDA ORLANDI

Como outros colegas meus e meus próprios sentimentos, Venho encaminhar, e reiterar de modo enfático, a Moção em anexo, aprovada em Assembleia do CR da ADunicamp em 23/02/2022. 
Destaco a natureza injustificável e descabida da referida proposta de homenagem, conforme está bem fundamentado no texto da Moção.
Não podemos permitir que a nossa querida cidade de Campinas seja submetida a uma situação vergonhosa e vexatória na eventualidade dessa homenagem prosperar.
Atenciosamente, 
Prof. Luiz Benedicto Lacerda Orlandi
Co-fundador do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da UNICAMP – Ex-Diretor do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da UNICAMP (1984-1988). 

  • RICARDO ANTUNES

Acompanho integralmente a mensagem do Prof. Alvaro Crósta, que segue abaixo, em apoio à importante Moção que a Direção da ADUNICAMP encaminhou ao Prefeito de Campinas.
Atenciosamente
Prof. Ricardo Antunes
Professor Titular em Sociologia IFCH-UNICAMP




Docentes aprovam Moção de Apoio ao Relatório da Anistia Internacional, referente ao apartheid imposto ao povo palestino

Na assembleia de Docentes, realizada no último dia 09 de fevereiro, foi deliberada a aprovação da moção de apoio ao Relatório da Anistia Internacional, referente ao apartheid imposto ao povo palestino. O documento foi enviado enviado à ANISTIA INTERNACIONAL BRASIL. Confira abaixo:

Diante do agravamento da situação do povo palestino na Faixa de Gaza, os docentes da Unicamp reunidos em Assembleia da ADunicamp, de 9/2/2022, se manifestam em apoio às Conclusões e Recomendações do circunstanciado e consistente Relatório da Anistia Internacional, divulgado em 1 de fevereiro de 2022. (abaixo)

Unicamp, 9 de fevereiro de 2022.

RECOMENDAÇÕES E CONCLUSÕES DO RELATÓRIO DA ANISTIA INTERNACIONAL

Desde su creación en 1948, Israel persigue una política de establecer y mantener una hegemonía demográfica judía y maximizar su control sobre la tierra en benefício de la población israelí judía al tiempo que restringe los derechos de la población palestina e impide que las personas refugiadas palestinas regresen a sus hogares.

En 1967, Israel amplió esta política a Cisjordania y la Franja de Gaza, que ocupa desde entonces. Amnistía Internacional ha analizado el propósito de Israel de crear y mantener un sistema de opresión y dominación sobre la población palestina y ha examinado sus componentes clave: fragmentación territorial, segregación y control, desposesión de tierras y propiedades, y negación de derechos económicos y sociales.

La organización ha llegado a la conclusión de que este sistema constituye apartheid. También ha documentado actos ilegales cometidos por Israel contra la población palestina con la intención de mantener este sistema, como traslados forzosos, detenciones administrativas y torturas, homicidios ilegítimos, la negación de libertades básicas y la persecución. Amnistía Internacional llega a la conclusión de que dichos actos forman parte de un ataque sistemático y generalizado contra la población palestina y constituyen el crimen de lesa humanidad de apartheid.

 Israel debe desmantelar este cruel sistema y la comunidad internacional debe presionarle para que lo haga. Quienes posean jurisdicción sobre los delitos cometidos para mantener este sistema deben investigarlos.

1 de febrero

(Além da versão do Relatório da AI em espanhol, traduções em árabe, inglês, francês e hebreu estão disponibilizadas.) 




ADunicamp repudia parecer de órgão do Ministério da Saúde que recomenda ‘Kit Covid’ em tratamento de pacientes e diz que vacinas causam ‘riscos à saúde’

Passados dois anos da pandemia da Covid-19, quando o saldo real de mortes, contabilizando as subnotificações, chegaria a milhões de vidas perdidas, a ADunicamp considera antiética, inapropriada, descabida e negacionista a proposta contida na Nota Técnica da SCTIE (Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde) do Ministério da Saúde que, entre outras coisas, menciona a eficácia do “Kit Covid” para tratamento das infecções causadas pelo SARS-CoV-2.

Na contramão de todas as comprovações científicas, que apontam as vacinas como principal instrumento de controle da pandemia, a nota ainda indica que as vacinas podem causar riscos para a saúde.

Após conclusões de cientistas de todo o mundo, inclusive do Brasil, que demonstram a não eficácia dos tratamentos com Cloroquina e Ivermectina, as posições obscurantistas do atual governo, expressas na Nota que ainda insiste em propagar o seu uso, evidenciam o total desrespeito pela vida dos cidadãos brasileiros.
A ADunicamp vem juntar forças a todas as manifestações de repúdio contra mais esse descalabro do governo brasileiro.

Leia aqui a integra da nota do Ministério da Saúde




ADunicamp aplaude o excelente trabalho da Anvisa e repudia os ataques a seu corpo técnico

As ameaças a servidores/as da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), disparados após o próprio presidente Jair Bolsonaro criticar a autorização do órgão para aplicação da vacina Pfizer contra a Covid-19 em crianças de 5 a 11 anos, representa mais um perigoso e inaceitável dos ataques às ciências e ao conhecimento, que vêm sendo perpetrados por grupos fanáticos com a aquiescência e incentivo do atual presidente da república.

O rigor técnico e científico das decisões da Anvisa, fundada no conhecimento mundialmente reconhecido de servidores/as da agência, são garantia de segurança para a população brasileira da qualidade de uma infinidade de produtos consumidos diariamente, entre eles os medicamentos.

A Anvisa, criada em 1999, é responsável pelo controle sanitário da produção e comercialização de produtos e serviços sujeitos à vigilância sanitária e de ambientes, processos, insumos e tecnologias, bem como de portos, aeroportos e fronteiras. A excelência de seu corpo técnico a coloca hoje como uma das agências de controle sanitário mais respeitadas no mundo.

A ADunicamp parabeniza todo o corpo técnico da Anvisa e soma sua voz à de todas as entidades e autoridades que exigem uma investigação rigorosa dos ataques e a punição exemplar de seus autores.

EM DEFESA DA CIÊNCIA E DA VIDA, TODO APOIO AOS IMPRESCINDÍVEIS SERVIÇOS PRESTADOS PELA ANVISA AO PAÍS