1

Ciência na Praça ocupa Largo do Rosário e reúne centenas de pessoas no dia de protestos pela educação

[fusion_builder_container hundred_percent=”no” hundred_percent_height=”no” hundred_percent_height_scroll=”no” hundred_percent_height_center_content=”yes” equal_height_columns=”no” menu_anchor=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” status=”published” publish_date=”” class=”” id=”” background_color=”” background_image=”” background_position=”center center” background_repeat=”no-repeat” fade=”no” background_parallax=”none” enable_mobile=”no” parallax_speed=”0.3″ video_mp4=”” video_webm=”” video_ogv=”” video_url=”” video_aspect_ratio=”16:9″ video_loop=”yes” video_mute=”yes” video_preview_image=”” border_size=”” border_color=”” border_style=”solid” margin_top=”” margin_bottom=”” padding_top=”” padding_right=”” padding_bottom=”” padding_left=”” admin_toggled=”no”][fusion_builder_row][fusion_builder_column type=”1_2″ layout=”1_2″ spacing=”” center_content=”no” link=”” target=”_self” min_height=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=”” background_color=”” background_image=”” background_image_id=”” background_position=”left top” background_repeat=”no-repeat” hover_type=”none” border_size=”0″ border_color=”” border_style=”solid” border_position=”all” border_radius=”” box_shadow=”no” dimension_box_shadow=”” box_shadow_blur=”0″ box_shadow_spread=”0″ box_shadow_color=”” box_shadow_style=”” padding_top=”” padding_right=”” padding_bottom=”” padding_left=”” margin_top=”” margin_bottom=”” animation_type=”” animation_direction=”left” animation_speed=”0.3″ animation_offset=”” last=”no”][fusion_text columns=”” column_min_width=”” column_spacing=”” rule_style=”default” rule_size=”” rule_color=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=””]
Centenas de pessoas acompanharam as aulas públicas, rodas de conversa e exposições de trabalhos científicos e culturais do evento Ciência na Praça, realizado pela ADunicamp (Associação de Docentes da Unicamp) nesta terça-feira, 13, no Largo do Rosário, região central de Campinas.
O Ciência na Praça, que aconteceu ao longo de toda a tarde, fez parte do dia de protesto em defesa da Educação e da Universidade Pública que teve manifestações e passeatas em todas as principais cidades do país contra os cortes do governo do presidente Jair Bolsonaro na educação e na ciência e contra a reforma da Previdência.
Em Campinas, com a participação de professores e estudantes da Unicamp e de escolas secundarias, as manifestações organizadas pelas principais centrais sindicais e por entidades da sociedade civil ocorreram no mesmo Largo do Rosário, às 10h e às 17h, e reuniram mais de mil pessoas.
Durante as aulas públicas e a manifestação, foram distribuídos para a população diversos materiais impressos, preparados pela ADunicamp, com informações sobre a importância da universidade, da ciência e do ensino públicos.
A CBN Campinas fez a cobertura deste dia de atividades, em uma parceria com a ADunicamp.

“Ontem foi um dia especial de manifestações. A Universidade tem sofrido severos ataques em sua autonomia e mesmo na sobrevivência de algumas Federais ou novos campi das Paulistas, que tiveram expansão significativa nos últimos anos. Conquistar visibilidade pública e apoios na sociedade e no meio político é fundamental para reverter esta situação”, analisou Wagner Romão, professor do IFCH/ADunicamp e presidente da ADunicamp, que também destacou a importância da realização do Ciência na Praça.
“Sobre o Ciência na Praça, queremos repetir a dose. Foi muito enriquecedora a experiência, para docentes, estudantes e também para aqueles que assistiram as aulas e apresentações. Mas, entendemos que seria muito importante que a própria Unicamp se preparasse para eventos semelhantes, externos à Universidade, nas regiões da cidade de Campinas e entorno”.

Aulas públicas e Exposições
Confira, abaixo, as aulas públicas e eventos realizados pelo Ciência na Praça:
– “Atualidade do Modelo Mundial de Bariloche”, professor Jose Mário Martinez (IMECC).
– “Simulação Computacional de Rompimento de Barragem por Difusão”, apresentada por um grupo de estudantes sob orientação de Martinez.
– “Os desastres com barragens de rejeitos, com referência a Brumadinho”, professor Jefferson Picanço (IG).
– “Cotas Étnico-Raciais na Universidade Pública: direito ou privilégio?”, professora Débora Jeffrey (FE).
– “Aproximações psicanalíticas aos serviços públicos de saúde”, professora Rosana Onocko Campos (FCM).
– “Conversas sobre Matemática”, professores Ricardo Biloti e Lúcio Santos (IMECC).
– “Democracia e participação” – professora Luciana Tatagiba (IFCH).
– “Unicamp e a Lei Maria da Penha”, pesquisadora Natalia Corazza (Pagu/Unicamp).
– Entre as apresentações científicas, foi realizada uma Exposição de Pesquisas do Centro de Convivência de Afásicos (CCA), organizada pela professora Edwiges Maria Morato (IEL). Foram realizadas, também, exposições com trabalhos realizados por docentes e estudantes dos institutos de Geologia (IG) e Biologia (IB).
Advogados/as do escritório LBS falaram sobre os impactos nas aposentadorias que serão causados pela reforma da Previdência e sobre as mudanças do FGTS.
[/fusion_text][/fusion_builder_column][fusion_builder_column type=”1_3″ layout=”1_3″ spacing=”” center_content=”no” link=”” target=”_self” min_height=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=”” background_color=”” background_image=”” background_image_id=”” background_position=”left top” background_repeat=”no-repeat” hover_type=”none” border_size=”0″ border_color=”” border_style=”solid” border_position=”all” border_radius=”” box_shadow=”no” dimension_box_shadow=”” box_shadow_blur=”0″ box_shadow_spread=”0″ box_shadow_color=”” box_shadow_style=”” padding_top=”” padding_right=”” padding_bottom=”” padding_left=”” margin_top=”” margin_bottom=”” animation_type=”” animation_direction=”left” animation_speed=”0.3″ animation_offset=”” last=”no”][fusion_gallery layout=”” picture_size=”” columns=”” column_spacing=”10″ gallery_masonry_grid_ratio=”” gallery_masonry_width_double=”” hover_type=”” lightbox=”yes” lightbox_content=”” bordersize=”” bordercolor=”” border_radius=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=””][fusion_gallery_image image=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/WR_CBN_01-600×800.jpeg” image_id=”8644|600″ link=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/WR_CBN_01.jpeg” linktarget=”_blank” /][fusion_gallery_image image=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/WR_CBN_02-600×450.jpeg” image_id=”8645|600″ link=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/WR_CBN_02.jpeg” linktarget=”_blank” /][fusion_gallery_image image=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/WR_CBN-600×800.jpeg” image_id=”8643|600″ link=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/WR_CBN.jpeg” linktarget=”_blank” /][fusion_gallery_image image=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/WR_CBN_03-600×800.jpeg” image_id=”8627|600″ link=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/WR_CBN_03.jpeg” linktarget=”_blank” /][fusion_gallery_image image=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/WR_CBN_04-600×1067.jpeg” image_id=”8629|600″ link=”” linktarget=”_self” /][fusion_gallery_image image=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/GUSTAVO_CBN_02-600×800.jpg” image_id=”8636|600″ link=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/GUSTAVO_CBN_02.jpg” linktarget=”_blank” /][fusion_gallery_image image=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/GUSTAVO_CBN_01-600×450.jpg” image_id=”8635|600″ link=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/GUSTAVO_CBN_01.jpg” linktarget=”_blank” /][fusion_gallery_image image=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/rosana_CBN_02-600×450.jpeg” image_id=”8642|600″ link=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/rosana_CBN_02.jpeg” linktarget=”_blank” /][fusion_gallery_image image=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/jeff_cbn_01-600×450.jpeg” image_id=”8646|600″ link=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/jeff_cbn_01.jpeg” linktarget=”_blank” /][fusion_gallery_image image=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/faixas1-600×450.jpeg” image_id=”8633|600″ link=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/faixas1.jpeg” linktarget=”_blank” /][fusion_gallery_image image=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/faixas-600×450.jpeg” image_id=”8632|600″ link=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/faixas.jpeg” linktarget=”_blank” /][fusion_gallery_image image=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/ED_exposicao_01-600×800.jpeg” image_id=”8631|600″ link=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/ED_exposicao_01.jpeg” linktarget=”_blank” /][fusion_gallery_image image=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/martinez_01-600×800.jpeg” image_id=”8640|600″ link=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/martinez_01.jpeg” linktarget=”_blank” /][fusion_gallery_image image=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/IMG_1342-600×450.jpg” image_id=”8654|600″ link=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/IMG_1342.jpg” linktarget=”_blank” /][fusion_gallery_image image=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/IMG_1381-600×450.jpg” image_id=”8658|600″ link=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/IMG_1381.jpg” linktarget=”_blank” /][fusion_gallery_image image=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/IMG_1356-600×450.jpg” image_id=”8656|600″ link=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/IMG_1356.jpg” linktarget=”_blank” /][fusion_gallery_image image=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/IMG_1386-e1565803249787.jpg” image_id=”8660|full” link=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/IMG_1386-e1565803249787.jpg” linktarget=”_blank” /][fusion_gallery_image image=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/IMG_1376-e1565804788559.jpg” image_id=”8657|full” link=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/IMG_1376-e1565804788559.jpg” linktarget=”_blank” /][fusion_gallery_image image=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/IMG_1391-e1565804998215-768×1024.jpg” image_id=”8661|large” link=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/IMG_1391-e1565804998215.jpg” linktarget=”_blank” /][fusion_gallery_image image=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/IMG_1326-600×450.jpg” image_id=”8649|600″ link=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/IMG_1326.jpg” linktarget=”_blank” /][fusion_gallery_image image=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/IMG_1344-600×450.jpg” image_id=”8651|600″ link=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/IMG_1344.jpg” linktarget=”_blank” /][fusion_gallery_image image=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/IMG_1333-600×450.jpg” image_id=”8650|600″ link=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/IMG_1333.jpg” linktarget=”_blank” /][fusion_gallery_image image=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/CNP_01-600×450.jpeg” image_id=”8630|600″ link=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/CNP_01.jpeg” linktarget=”_blank” /][fusion_gallery_image image=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/IMG_1432-1024×768.jpg” image_id=”8665|large” link=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/IMG_1432.jpg” linktarget=”_blank” /][fusion_gallery_image image=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/IMG_1442-1024×768.jpg” image_id=”8667|large” link=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/IMG_1442.jpg” linktarget=”_blank” /][fusion_gallery_image image=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/IMG_1440-e1565806576698-768×1024.jpg” image_id=”8666|large” link=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/IMG_1440-e1565806576698.jpg” linktarget=”_blank” /][fusion_gallery_image image=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/largo02-600×399.jpg” image_id=”8638|600″ link=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/largo02.jpg” linktarget=”_blank” /][fusion_gallery_image image=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/largo-600×338.jpg” image_id=”8637|600″ link=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/largo.jpg” linktarget=”_blank” /][fusion_gallery_image image=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/fef-600×450.jpeg” image_id=”8634|600″ link=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2019/08/fef.jpeg” linktarget=”_blank” /][/fusion_gallery][/fusion_builder_column][/fusion_builder_row][/fusion_builder_container]




‘Reforma do Ensino Médio- Educação Sitiada’ é tema do S/A- Sala Aberta

A segunda edição do programa S/A- Sala Aberta, gravada no domingo (11) no auditório da ADunicamp, teve como tema “Reforma do Ensino Médio – Educação Sitiada” e, durante mais de duas horas, reuniu professores, estudantes e representantes de entidades ligadas à Educação, para discutir as propostas apresentadas pelo MEC na MP746.
Participaram do programa os professores da Faculdade de Educação da Unicamp, Dirce Zan e Luiz Carlos de Freitas; o primeiro-secretário e um dos coordenadores do Grupo de Trabalho em Política Educacional do ANDES-SN, professor Francisco Jacob Paiva da Silva; a integrante da Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo), professora Solange Pozzuto; o presidente da Upes (União Paulista dos Estudantes Secundaristas) Emerson Santos e o advogado Sérgio Albergaria, integrante do Maic (Movimento Advogados Independentes Campinas).
S/A-Sala Aberta é uma produção da ADunicamp em parceria com seis coletivos das áreas de comunicação e vídeo: Comunicadores Populares, Mídia Livre VaiJão, Socializando Saberes, Usina Geradora, NINA e a TV Comunitária Cidade Livre.
http://salaaberta.org.br/sa-sala-aberta-reforma-do-ensino-medio-educacao-sitiada/




Aula Pública (25/11) | Os Impactos da Proposta de Reforma do Ensino Médio e da PEC55

O evento terá início às 8 horas e será realizado na Praça da Concórdia, Parque Valença, na região do Campo Grande.
O tema da Aula será “Os Impactos da Proposta de Reforma do Ensino Médio e da PEC55 (PEC 241 na câmara) e contará com a presença dos professores Ângela Soligo (FE), Nádia Farage (IFCH) e José Dari Krein (IE).
aulas_publicas_25112016_web




Vídeo | Debate | O Desmonte da Educação

Transmitido ao vivo em 7 de nov de 2016

Com o objetivo de discutir as medidas tomadas pelo governo Temer que poderão significar um retrocesso para a educação, como a PEC 241, atualmente PEC 55 no Senado Federal, Otaviano Helene, Daniel Cara e Giovanna Modé participaram do seminário O Desmonte da Educação, do projeto #GovernoSemVoto.

ORGANIZAÇÃO
Instituto Polis e o Le Monde Diplomatique

CONFIRA

CONVIDADOS

Otaviano Helene
Professor da USP e ex- presidente do INEP/MEC

Daniel Cara

Coordenador da Campanha Nacional pelo Direito à Educação

Giovanna Modé

Coordenadora de comunicação e mobilização da Campanha Latino Americana pelo Direito à Educação

MEDIAÇÃO
Eduardo Fagnani
Prof. do Instituto de Economia da Unicamp




Assembleia de Docentes (17/11)

boletim_chamada_assembleia_17112016_mailA diretoria da ADunicamp convoca a todos para a Assembleia geral de docentes que será realizada no próximo dia 17/11 (5ª feira), a partir das 12 horas, no auditório da entidade.
[box type=”info”]
PAUTA
1 – Informes;
2 – Discussão e a deliberação:   

2.1 –  posicionamento da ADunicamp em relação ao indicativo de greve do ANDES-SN em articulação com o setor da Educação, com a seguinte pauta: contra a PEC 55/2016 (PEC 241 na câmara) e a MP 746 (Reforma do Ensino Médio);

2.2 –  Temporalidade da greve docente;

2.3 –  25/11 – Dia Nacional de Luta com mobilização, protestos e paralisações;

2.4 –  28 e 29/11 –  Marcha Nacional à Brasília, contra a PEC55/16;

[/box]
Nos dias 05 e 06 de novembro de 2016 estiveram reunidas as seções sindicais do ANDES-SN dos setores das Instituições Federais de Ensino Superior (Setor das IFES) e das Instituições Estaduais e Municipais de Ensino Superior (Setor das IEES/IMES), para analise da intensificação dos ataques à classe trabalhadora e aos seus direitos, promovidos pelo governo Federal, Congresso Nacional e Judiciário e para definição dos indicativos do ANDES-SN às suas seções sindicais para o enfrentamento aos projetos em curso que, se aprovados, trarão enormes prejuízos à população brasileira e em particular aos funcionários públicos (em nível municipal, estadual e federal).
A PEC 55/16 que tramita no Senado Federal (PEC 241 na câmara) indica redução ainda maior dos investimentos no serviço público, especialmente no setor da educação e saúde pelo período de 20 anos. Tal redução ocasionará uma profunda precarização do trabalho e do atendimento à população que depende necessariamente dos direitos sociais garantidos na Constituição Federal de 1988 e que serão destruídos caso a PEC seja aprovada. Soma-se a esta medida a contrarreforma da previdência e trabalhista, a MP 746/2016 (Reforma do Ensino Médio), a Lei da Mordaça (Escola Sem Partido) e outros projetos de lei que tramitam no Congresso Nacional e que confrontam o interesse das trabalhadoras e trabalhadores, especialmente da educação.
Diante desses ataques temos um desafio para o conjunto do sindicato nacional e do setor da educação: intensificar as ações em unidade com demais setores e apontar perspectivas de luta para o período próximo.
Assim, os setores das IFES e das IEES/IMES do ANDES-SN avaliam que nossas ações devem continuar a contribuir para o fortalecimento e intensificação das distintas mobilizações das trabalhadoras, trabalhadores e estudantes, tendo como horizonte a perspectiva da Greve Geral. Para tal, indica que no período de 7 a 17 de novembro seja realizada rodada de Assembleias Gerais (AG) para discutir e deliberar sobre o indicativo de greve docente unificada com os setores da educação, com a seguinte pauta: contra a PEC 55 (PEC 241 na câmara) e contra a MP 746/2016, bem como definir a temporalidade da greve docente. Os resultados dessa rodada de AG deverão ser enviados para a secretaria do ANDES-SN e serão apreciados e encaminhados na próxima reunião conjunta dos Setores das IEES/IMES e IFES nos dias 19 e 20 de novembro em Brasília, com nova rodada de Assembleias Gerais no período de 21 a 24/11 para deflagrar ou não a greve do ANDES-SN (após avaliação, pela AG, dos encaminhamentos aprovados pela reunião dos setores dos dias 19 e 20/11).
Agenda do ANDES-SN:
07 a 17/11 – Rodada de AG para discutir e deliberar sobre o indicativo de greve docente, em articulação com o setor da Educação.
11/11 – Dia Nacional de Luta com mobilização, protestos e paralisações.
19 e 20/11 – Reunião dos Setores (IFES + IEES/IMES) para tratar do resultado da rodada de AG.
21 a 24/11 – Rodada de AG para deflagrar ou não a greve do ANDES-SN (a depender dos encaminhamentos da reunião dos setores dos dias 19 e 20/11);
25/11 – Dia Nacional de Luta com mobilização, protestos e paralisações.
28 e 29/11 – Marcha Nacional à Brasília (conforme indicação sendo construída com o setor da Educação e a ser construída com o FONASEF (Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais).
[button link=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2016/11/boletim_chamada_assembleia_17112016_WEB.pdf” icon=”file-o”]Boletim na Versão PDF[/button]
 




DEBATE (11/11) | RESISTIR É PRECISO!

O debate será no PB (Ciclo Básico) e terá início às 12 horas. A mesa será composta pelos professores Andréia Galvão e Fernando Teixeira (IFCH), e José Dari Krein (IE), além do Kiko, representando o STU.
debate_resistir_11112016_web




Moção de Repúdio contra a Violência Policial na Escola Nacional Florestan Fernandes

A Diretoria da ADunicamp vem a público manifestar seu repúdio à ação policial de 04 de novembro de 2016 na Escola Nacional Florestan Fernandes – ENFF, na cidade de Guararema-SP. Causa repulsa a violência com que se deu essa ação da Polícia Civil de Mogi das Cruzes, durante a qual ocorreu a invasão da Escola sem mandado judicial, agressão a idoso, depredação de patrimônio, disparos de arma de fogo e intimidação de cidadãos que se opunham à presença arbitrária e truculenta de policiais no local. O fato de que naquele momento estivessem na Escola cerca de 200 pessoas somente agrava o quadro de brutalidade com que se desenrolou o episódio.
Referência nacional na formação de trabalhadores do campo, a Escola tem sido, desde sua criação, um espaço para a inclusão social e o debate acerca da questão agrária brasileira. Os vários cursos ali ministrados bem como uma infraestrutura que conta com uma biblioteca de 40 mil exemplares dão mostras de que ali se trata de um local de promoção da cidadania, de qualificação de trabalhadores e que não pode ser visto pelo poder público, seja ele de qualquer esfera ou corporação, como fazendo jus a 10 viaturas com homens fortemente armados a romper não apenas vidraças, mas, sobretudo, o limite entre o razoável e a inadmissível, entre a repressão ao crime e a repressão criminosa, em suma, entre o Estado Constitucional de Direito e a barbárie.
A Diretoria da ADunicamp vem assim não apenas se solidarizar com todos os cidadãos que foram vítimas dessa operação policial na Escola Nacional Florestan Fernandes, como também reforçar sua posição histórica em defesa da democracia, da liberdade e da dignidade nas relações humanas, acima de tudo em ambiente educacional.
Diretoria da ADunicamp
08 de novembro de 2016  




Fórum das Seis: Sem resistência e luta de nossa parte, a ponte nos levará ao passado! Vamos permitir?

PEC 55, PLC 257, Escola sem partido, reforma da Previdência, reforma do EM, ataques ao direito de greve…
Trabalhadores e estudantes devem engrossar a reação contra o desmonte dos serviços públicos e os direitos sociais
As propostas do governo Temer, sacramentadas no conhecido documento do PMDB “Ponte para o futuro”, nunca foram escondidas de ninguém, mas espertamente foram deixadas na gaveta até que o presidente e seu ministério – boa parte composto por ministros que são réus em processos de corrupção – pudessem subir a rampa do Planalto após o processo de impeachment.
A onda conservadora que se abate sobre o país, e que ganha corpo a cada dia, ameaça levar de roldão direitos arduamente conquistados pela população trabalhadora do país. São iniciativas
que buscam aprovar mudanças na legislação, por meio de emendas constitucionais, projetos de lei e decretos presidenciais.
Agora, mesmo os setores da população que se deixaram levar pela pesada propaganda patrocinada pela grande imprensa, começam a se dar conta dos reais interesses em jogo. Temer e seus ministros não fazem segredo das suas prioridades: as reformas trabalhista e previdenciária, a limitação de recursos para a educação, saúde e seguridade social, e o desmonte dos serviços públicos. O objetivo: garantir o pagamento da dívida pública aos banqueiros e os lucros dos empresários, que veem no tripé previdência social/saúde/educação um filão de onde retirar a remuneração para seus negócios.
Ou seja, em vez de reduzir os lucros patronais, a solução altamente questionável contida na “Ponte para o futuro” para retomar o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) é diminuir os recursos públicos destinados aos trabalhadores, aos serviços públicos e ao conjunto da maioria pobre da população.
A PEC 241… agora PEC 55
A Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 241/2016, de autoria do governo Temer, já foi aprovada na Câmara dos Deputados e que agora tramita no Senado Federal como PEC 55. Apresentada em junho deste ano, com o objetivo de impor um “Novo Regime Fiscal”, o real objetivo da PEC é congelar por “vinte exercícios financeiros” os gastos sociais e custeio dos serviços públicos. A partir de 2017, as despesas com estes setores – com destaque para saúde e educação públicas – passariam a ser corrigidas apenas pela inflação, sem nenhum crescimento real. Com isso, estaria extinta uma grande conquista inserida na Constituição de 1988, que foi a vinculação de recursos para Saúde e Educação.
Para se ter uma ideia dos impactos tenebrosos da PEC, caso aprovada, a estimativa é que os investimentos públicos em educação, atualmente na casa dos 5% do Produto Interno Bruto (PIB), de acordo com estudos do pesquisador Otaviano Helene, da USP, cheguem a 2036 em 3% do PIB!
Sabemos também que, se aprovada a PEC 55 no Senado, não demorará para que o governo estadual tente satisfazer um desejo antigo de acabar com a vinculação de recursos estaduais para todos os fins, inclusive para as universidades estaduais paulistas, o que tornaria ainda mais crítica a crise de financiamento que estas instituições atravessam.
Outros ataques
O pacote de maldades do governo Temer é amplo e abrange medidas há muito sonhadas pelo pessoal do “andar de cima”. A intenção é aprovar tudo rapidamente, antes que chegue 2018. Além da PEC 55, resumidamente as principais são:
– Reforma da Previdência: A intenção é dificultar ao máximo o usufruto da aposentadoria pela maior parte da população. Entre as medidas ventiladas estão: rebaixamento dos valores do teto dos benefícios, adoção de idade mínima para as aposentadorias por tempo de contribuição (fala-se em 65 ou até 75 anos, igual para homens e mulheres), desvinculação do valor dos benefícios previdenciários do salário mínimo, transferência dos recursos da Seguridade Social para outros fins e total impulso da previdência complementar privada.
– Reforma trabalhista: A ideia é mexer na lei para garantir que as negociações diretas entre patrões e sindicatos possam valer mesmo que contrariem princípios previstos na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Por exemplo, se os empresários de determinado setor negociam com o sindicato da categoria que a jornada de trabalho deve ser de 10 ou 12 horas diárias – o que contraria o texto atual da CLT, que a limita em 8 horas – isso poderia ser implantado. Simples assim.
– PLC 257/2016: Estabelece um plano de auxílio aos estados e ao Distrito Federal, em troca da garantia de que estes poderão reduzir seus gastos com pessoal, por meio do congelamento das
carreiras, suspensão de contratações, demissão voluntária, corte de benefícios (quinquênios, sexta-parte) etc.
– PLC 30/2015: De autoria do ex-deputado Sandro Mabel (PMDB-GO), propõe “regulamentar” os contratos de terceirização, introduzindo medidas como a ampliação irrestrita da terceirização,
de forma a não mais distinguir atividades-meio de atividades-fim.
– PEC 139/2015: Extingue o abono de permanência, criado para manter o servidor público em atividade após completado o tempo para a aposentadoria voluntária. Esse abono tem incentivado
a permanência de servidores na ativa, e é um importante instrumento para conter a evasão de quadros do serviço público.
– PL 867/2015, que propõe o “Programa Escola sem Partido”: Por meio de um conjunto de restrições à atuação dos professores, o objetivo é impedir que os eles se manifestem criticamente
sobre política, religião e orientação sexual, entre outros assuntos.
– MP 746, de 22/9/2016: Por meio de medida provisória, o governo Temer propõe uma drástica reforma no Ensino Médio. Entre as principais mudanças, está a “flexibilização” do currículo,
tornando obrigatórias somente as disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática. Demais disciplinas – como Educação Física, Filosofia, Sociologia, Ciências etc. – passariam a compor roteiros optativos de formação. Trata-se de um dispositivo que certamente empobrecerá o ensino oferecido neste nível e o esvaziará de quaisquer vestígios de espírito crítico.
[box type=”info”]PEC 55: Vote na consulta aberta no Senado
O Fórum das Seis sugere que você vote CONTRA a aprovação da PEC55/2016 na consulta pública que está sendo realizada pelo Senado. Para votar pela primeira vez nesse tipo de consulta, será preciso se cadastrar, esperar mensagem pore-mail, confirmar o cadastro e depois confirmar novamente o voto.
Comece pelo seguinte link: http://bit.ly/2eJWtoN[/box]
[box type=”alert”]11 de novembro é dia de luta
Todas estas medidas têm em comum o confisco de direitos sociais e trabalhistas, a ampliação e a implantação de pautas conservadoras na sociedade. Resistir e lutar é o único caminho para impedir retrocessos dessa envergadura. A saída para a crise, criada pelos próprios capitalistas, não pode recair sobre a maioria da população, como querem o governo e os setores que o sustentam.
Várias atividades nacionais já foram realizadas. A próxima delas, convocada conjuntamente pelas centrais sindicais, é a realização de um Dia Nacional de Luta em 11/11, com paralisações em todo o país. Neste dia, todas as atividades serão bem-vindas: paralisações, passeatas, debates, reuniões, panfletagens e outras.
[/box]
Direito de greve
Supremo macula o direito de greve dos trabalhadores

Em votação realizada no dia 27/10/2016, o Supremo Tribunal Federal decidiu, por 6 votos a 4, que o poder público deve cortar os salários dos servidores em greve. A decisão se deu durante o julgamento de um recurso originado numa greve na Fundação de Apoio à Escola Técnica (Faetec), do Rio de Janeiro, em 2006, e direciona os tribunais do país a adotarem o entendimento da corte suprema sobre o tema.
Não por acaso, o julgamento do STF tem um desfecho agora, no período pós-golpe parlamentar, apesar de vir se arrastando há anos. Não por acaso, o julgamento acontece em meio a uma sequência de ataques ao funcionalismo público e ao conjunto dos trabalhadores, desferidos pelos Poderes Executivo e Legislativo, como vimos na matéria principal deste boletim.
Legalizar o corte de salários a priori, antes mesmo que uma greve seja julgada ilegal, prejudica diretamente o direito de greve dos servidores públicos. A decisão aponta para um endurecimento
do regime político, de forma que lembra em muito os tempos sombrios da ditadura empresarial-militar.
As entidades que compõem o Fórum das Seis reafirmam a sua defesa intransigente do direito de greve dos trabalhadores, garantido pela Constituição Federal, e conclamam todos a prosseguirem na luta pelos seus direitos e pela preservação da qualidade do serviço público prestado à população pelo Estado brasileiro.
————————–
MOÇÕES
Solidariedade aos estudantes do Centro Paula Souza
O Fórum das Seis, que congrega as entidades sindicais e estudantis da Unesp, Unicamp, USP e do Centro Paula Souza (Ceeteps), reunido em 4/11/2016, manifesta solidariedade aos estudantes do Centro Paula Souza, vítimas de brutal violência empregada pela polícia militar paulista quando da desocupação do prédio da Administração desta instituição, na noite de 3/11/2016. A ocupação tinha o objetivo de cobrar do governo a implantação de medidas para permanência estudantil, vitais para a manutenção de um grande contingente de estudantes na instituição.
Ao mesmo tempo, repudiamos o caráter arbitrário que caracterizou a ação da PM neste episódio. O governador do estado de São Paulo e o seu secretário de segurança devem satisfações à comunidade estudantil e à sociedade paulista pelos atos de agressão relatados pelos estudantes. A criminalização dos movimentos sociais, tratados como caso de polícia, viola princípios básicos da convivência democrática, descumpre preceitos constitucionais que asseguram garantias mínimas do direito à livre manifestação e constitui uma afronta ao Estado Democrático de Direito.
 São Paulo, 4 de novembro de 2016
Fórum das Seis
————————–
Repúdio à repressão e à criminalização dos movimentos sociais
O Fórum das Seis, que congrega as entidades sindicais e estudantis da Unesp, Unicamp, USP e do Centro Paula Souza (Ceeteps), reunido em 4/11/2016, manifesta seu repúdio à repressão desencadeada neste mesmo dia, quando houve a truculenta invasão policial à Escola Nacional Florestan Fernandes – ENFF, localizada na cidade de Guararema-SP. Esta escola de formação foi fundada pelo MST – Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, e é referência internacional de educação popular.
O Fórum das Seis repudia também a criminalização de quaisquer movimentos sociais, em sua postura de luta democrática e de intransigente defesa dos princípios básicos do Estado Democrático de Direito, especialmente no contexto atual de graves ameaças e/ou violações do direito de manifestação e da liberdade de expressão.
São Paulo, 4 de novembro de 2016
Fórum das Seis
[button link=”http://adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2016/11/Boletim-do-F6-7-11-2016.pdf” icon=”file-o” color=”red”]Boletim do F6 na versão PDF[/button]




Nota de Repúdio da ALAB à MP746, que propõe reformas para o Ensino Médio

[box type=”info”]Divulgação realizada por solicitação do Prof. Paulo Oliveira, docente do CEL e membro da ALAB, na condição de sindicalizado. O conteúdo do texto não reflete necessariamente a posição da ADunicamp, de sua Diretoria ou de qualquer outra instância da entidade. Toda e qualquer responsabilidade por afirmações e juízos emitidos cabe unicamente aos autores do texto.[/box]
Em face da indignação manifestada pela comunidade de linguistas aplicados/as em relação à medida provisória 746 publicada no Diário Oficial da União em 23 de setembro de 2016 e que institui mudanças ao texto da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996), a Associação de Linguística Aplicada do Brasil (ALAB) expressa publicamente seu repúdio à referida medida provisória, tanto no que diz respeito à forma como foi proposta quanto ao seu conteúdo.
No que se refere à forma pela qual as mudanças na educação básica, especialmente no ensino médio, foram propostas, a ALAB entende como autoritária e arbitrária a proposição de mudanças tão fundamentais para os rumos da educação no Brasil na forma de medida provisória, sem ampla consulta e debate com os/as agentes dos mais diversos setores sociais afetados/as por essas mudanças. A forma autoritária deflagrada no seu rápido anúncio e publicação exclui professores/as, alunos/as, pesquisadores/as, formadores/as, Associações e a comunidade brasileira como um todo do debate sobre as reformas necessárias e desejáveis para a construção de uma educação básica mais plural, inclusiva e responsiva à vida contemporânea. Ao negar, portanto, a possibilidade de participação daqueles/as por ela diretamente afetados/as na sua concepção, a MP 746/2016 fere princípios básicos de um estado democrático.
Em relação às alterações que a MP 746 propõe à LDB, a ALAB, levando em consideração manifestações de seus membros via e-mail e comunidades virtuais, registra seu posicionamento contrário às reformas especificadas abaixo:
IMPOSIÇÃO DA OFERTA DA LÍNGUA INGLESA COMO OBRIGATÓRIA A PARTIR DO SEXTO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL E NO ENSINO MÉDIO:
Não obstante a necessidade de oferta dessa língua adicional em face ao seu papel como língua franca em processos de construção de significados ao redor do mundo, compreendemos que a obrigatoriedade de sua oferta desconsidera a prerrogativa de que as línguas adicionais a serem ofertadas nas escolas públicas devem ser escolhidas a partir de questões socais, culturais e históricas que atravessam as comunidades escolares nas mais diversas regiões do Brasil. Ao desconsiderar a heterogeneidade de contextos e vozes que devem orientar a escolha da(s) línguas adicionais a serem ofertadas nos diversos ciclos da educação básica, a imposição de oferta da língua inglesa desrespeita o multilinguismo e plurilinguismo que caracteriza a sociedade brasileira.
ORGANIZAÇÃO DO CURRÍCULO POR “ITINERÁRIOS FORMATIVOS ESPECÍFICOS”:
Embora uma reforma curricular no ensino médio, desde que gestada a partir de um amplo debate com as comunidades escolar, acadêmica e científica, seja necessária e desejável, entendemos que a segregação entre ensino técnico e propedêutico viabilizada pela MP através da institucionalização de itinerários formativos específicos pode levar à ampliação de processos de exclusão social ao coibir o acesso de jovens de camadas sociais menos favorecidas ao corpo de conhecimentos básicos das ciências sociais e/ou da natureza requeridos para o acesso ao ensino superior. Além de ameaçar a mobilidade social que pode ser desencadeada pelo acesso à educação superior, a proposição de itinerários formativos que flexibilizam o acesso a conhecimentos das ciências humanas e sociais, possibilitando que conteúdos curriculares de áreas como Filosofia, Sociologia, Educação Física e Artes sejam simplesmente excluídos do currículo, minimizam o papel do ensino médio
na formação de jovens capazes de (inter)agir de forma mais crítica nas diversas esferas sociais, (inter)ações fundamentais para a construção de futuros sociais mais éticos.
POSSIBILIDADE DE OUTROS PROFISSIONAIS E/OU PESSOAS COM “NOTÓRIO SABER” ASSUMIREM OS “ITINERÁRIOS FORMATIVOS”:
Da mesma forma que pessoas com conhecimentos na área médica e de direito não podem, por exemplo, exercer a medicina ou a advocacia, consideramos absurdo a institucionalização da possibilidade de pessoas sem formação didático-pedagógica assumirem o processo de ensino-aprendizagem de quaisquer componentes curriculares no ensino médio. Essa reforma contribui para uma precarização ainda maior do trabalho do/a professor/a da educação básica, eximindo o estado da sua responsabilidade em prover condições infra-estruturais e de/na formação de professores que de fato promovam mudanças profundas na educação básica. Possibilitar que qualquer um com conhecimento em determinada área assuma atividades de ensino na escola é um desrespeito ao trabalho científico desenvolvido nos cursos superiores de formação de professores, colocando sob ameaça a continuidade de existência desses cursos e dos/as profissionais que nele atuam. Por fim, essa possibilidade traz prej
uízos incalculáveis aos alunos/as do ensino médio cujo processo de aprendizagem pode ser prejudicado e/ou banalizado por profissionais sem formação didático-pedagógica. Essa medida não corresponde à resposta esperada pelos brasileiros em função do desinteresse dos egressos do ensino médio pelas licenciaturas, e do já reduzido número de profissionais em diversas áreas do magistério. Além disso, a medida pode propiciar, futuramente, um esvaziamento de graduações voltadas para a formação docente em suas diversas áreas, incluindo as licenciaturas em Letras.
ENSINO MÉDIO EM PERÍODO INTEGRAL:
Embora possa, à primeira vista, parecer uma mudança positiva, a instituição do ensino médio em período integral precisa ser amplamente debatida com os setores da sociedade afetados por tal mudança de forma que as condições para a implementação de um ensino integral de qualidade sejam cumpridas, diferentemente das condições adversas em que se encontram algumas escolas públicas de tempo integral, em diferentes estados do Brasil. Há de se considerar também que no contexto brasileiro muitos/as jovens de 16 anos (ou menos) já estão no mercado de trabalho, o que faz com que o ensino médio em período integral contribua ainda mais para a exclusão e possibilidade de mobilidade social desses/as jovens. Além disso, os adultos, que trabalham, estariam impedidos de cursar o ensino médio, fato que também contribui para a evasão escolar.
Diante dos argumentos apresentados acima, a ALAB se une às Associações Científicas e pesquisadores/as que condenam o caráter autoritário da MP 746/2016 e as ameaças que essa traz para uma educação básica de qualidade e igualitária e conclama a rejeição da referida medida pelo poder legislativo.
Rio de Janeiro, 04 de outubro de 2016.
Diretoria da ALAB biênio 2016-2017
Paula Tatianne Carréra Szundy, UFRJ (Presidente)
Dilma Maria de Mello, UFU (Vice-Presidente)
Rogério Casanovas Tílio, UFRJ (Tesoureiro)
Glenda Cristina Valim de Melo, UNIRIO (Secretária)
Wagner Rodrigues Silva, UFT (Secretário)