1

Cultura no IG apresenta "Corais", com maestro Paulo Rowlands

Os corais Madrigal Baobá Coral de Vidro, que integram o Programa Cultura no IG, farão apresentações abertas ao público nos meses de outubro e novembro. Os dois corais vão se juntar ao Coral Sintonia, de Valinhos, todos regidos pelo maestro Paulo Rowlands, para as apresentações que têm entrada gratuita. Confira:

  • 25 de outubro: Igreja Matriz de São Sebastião, em Valinhos, às 20h (Rua Padre Manoel Guinaut, 74, Centro)
  • 26 de novembro: auditório da Associação dos Docentes da Unicamp (Adunicamp), às 20h (Avenida Érico Veríssimo, 1479, Cidade Universitária)
  • 22 de outubro: apresentação do Coral de Vidro no saguão do Instituto de Geociências, às 16h, durante o happy hour do evento Geosudeste – (Rua Carlos Gomes, 250, Cidade Universitária)

REPERTÓRIO
O Coral Sintonia apresentará:
April is in my mistress’ face, de Thomas Morley
Fratello Sole, sorella Luna, de Riz Ortolani
Ameno Divano, de Eric Lévi
Va Pensiero, de Giuseppe Verdi
Hallelujah, de Leonard Cohen
O Coral de Vidro apresentará:
Matona mia cara, de Orlando di Lasso
Berimbau, de Vinicius de Moraes e Baden Powell
Minas com Bahia, de Chico Amaral
O Happy day, hino do Séc. XVIII, com solos de Caroline Araújo e Viviane Guerra
O Madrigal Baobá apresentará:
Ária da quarta corda, BWV 1068, de J. S. Bach
Ave Maria nº3, de Paulo Rowlands
Non nobis Domine, de Patrick Doyle, com solos de Giulia Luiza e Ana Luiza Lira
Lady Jane, de Mick Jagger e Keith Richards
Os três grupos juntos apresentarão:
Cum Sancto Spiritu, K. 139, de Wolfgang Amadeus Mozart
Lata d’água, de Luiz Antônio e Jota Júnior
Para mais informações, acesse portal.ige.unicamp.br.
Apresentação na ADunicamp | Serviço

“Corais”, com maestro Paulo Rowlands
26/NOVEMBRO/2019
20 HORAS
Auditório da ADunicamp
Entrada Franca




Chá d'ADu (13/11/2019) | LUIZ LIMA BR TRIO

O Chá d’ADu promove uma série de apresentações no Espaço ADunicamp (restaurante na sede da entidade), para os(as) sindicalizados(as) da entidade. A próxima apresentação, que será realizada no dia 13 de novembro, terá o LUIZ LIMA BR TRIO.
A música proposta pelo Luiz Lima BR Trio basicamente pode ser definida como música instrumental brasileira com certa conexão tanto com a tradição que vem do choro como com aquela relacionada à Bossa Nova e o Samba Jazz. O repertório proposto pelo trio é formado por composições originais de Luiz Lima e músicas de autores como Egberto Gismonti, Pixinguinha, Tom Jobim, Guinga, K-Ximbinho e Paulo Bellinati.
LUIZ LIMA BR TRIO
Luiz Lima: guitarrista, compositor, arranjador e pesquisador. Nascido em Natal (RN), ativo no cenário cultural daquela cidade desde os anos 1970, mudou-se para o Rio de Janeiro na década de 1980 e em seguida para a Itália, onde permaneceu por 25 anos atuando como músico e professor de guitarra, harmonia jazz e música de grupo. É bacharel em música (violão) pelo Conservatório Mascagni de Livorno (Itália), com mestrado em música popular (jazz brasileiro) pela Unicamp.
Edu Hebling: nascido em Rio Claro, viveu e trabalhou em Veneza, Itália, de 1990 a 2015. Arranjador, produtor, compositor, Iniciou seus estudos musicais com música clássica, tocando violoncelo e depois contrabaixo, exercendo atividade profissional na área da música popular, jazz e trilha sonora. Tocou com James Brown, Ornella Vanoni, Gino Paoli, Claudio Roditi, Ed Cortes, Marco Tamburini, Pietro Tonolo, John Riley, Giulio Capiozzo, Sandro Gibellini, Paolo Birro, Alessandro Galati, Patrizia Laquidara. Atualmente é doutorando em música pela Unicamp. Luiz
Guilherme Sanita: é graduado (2014) e mestre (2018) em Música pela Unicamp. Têm experiência na área de performance, atuando nos mais diversos estilos da música popular. Integra os grupos “Tambora 3”, trio de bateristas e que realizará turnê para China (julho 2019); “Jorge e os Katracas”; “Luiz Lima Trio”; “Suellen Karine”; “Hypocrás”. Além de trabalhos livres na área da música (shows e gravações), atua também como educador de bateria em Campinas.
Linha 6: FILOSOFIA E HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO
Coordenador: José Claudinei Lombardi (Zezo) – coordenador
Facebook: luizlimamusic
Youtube: luizlimamusic
Serviço
LUIZ LIMA BR TRIO
13/NOVEMBRO/2019
19 às 21 HORAS
ESPAÇO ADUNICAMP (restaurante na sede da entidade)
Entrada Franca
 




Ná Ozzetti e o Duo Sagawa Galvão interpretam Dominguinhos e Anastácia na ADunicamp

Ná Ozzetti e o Duo Sagawa Galvão se apresentam no palco da ADunicamp no próximo dia 6 de novembro, quarta-feira. O evento, aberto ao público, terá início às 20h.
Ná Ozzetti e o Duo Sagawa Galvão interpretam canções da parceria entre Dominguinhos e Anastácia, entre outros forrós. Com arranjos elaborados pelo Duo, o espetáculo é um alento terno, mas pungente, compondo um acontecimento sincero entre artistas, obra e público.
Ná Ozzetti é considerada uma das principal cantoras do movimento Vanguarda Paulista, com reconhecimento nacional. Iniciou sua carreira musical com o grupo Rumo e prosseguiu com carreira solo, com mais de 15 discos gravados. O Duo Sagawa Galvão é formado por Fernando Sagawa, saxofone, e Franco Galvão, no violão de 7 cordas. Ex alunos da Unicamp, em setembro de 2019 realizaram turnê pela Europa e gravaram um disco no prestigioso Rainbow Studio, em Oslo, Noruega.
SERVIÇO
Ná Ozzetti e o Duo Sagawa Galvão interpretam Dominguinhos e Anastácia
Data: 06/11
Horário: 20h
Local: Auditório da ADunicamp
Entrada Franca




Concertos 2019 | "Obrigado, Radamés", com Duo Gabriel Rimoldi e Guilherme Lamas

O concerto “Obrigado, Radamés“, com o Duo Gabriel Rimoldi e Guilherme Lamas, é uma homenagem ao compositor Radamés Gnatalli. A apresentação acontecerá no auditório da
ADunicamp, dia 23 de outubro, a partir das 20:00 horas.
A formação instrumental de flauta e violão é elemento recorrente no que se constiui historicamente como identidade musical brasileira, fazendo-se presente nos mais distintos contextos, que vão desde a música de concerto às rodas de choro e samba. Versátil também é a produção artística do compositor gaúcho Radamés Gnatalli (1906-1988), que ao longo de sua profícua carreira tão bem transitou entre a então chamada música de concerto e os diversos gêneros da música popular. O compositor teve grande importância no cenário musical do século XX, sendo reconhecido como um importante ícone da modernização da linguagem musical brasileira.
A seleção de obras apresentada por este projeto visa elucidar não apenas a evolução da linguagem do próprio compositor ao longo de sua carreira, mas também elucidar sua contribuição ao desenvolvimento da linguagem musical brasileira através de uma geniosa apropriação de recursos da música erudita e de gêneros musicais como o choro, a valsa, a bossa-nova e o jazz.
Recentemente, observa-se certo incremento aos movimentos culturais que valorizam as expressões artísticas relacionadas ao Choro. Tal aspecto tem como consequência positiva o surgimento de novas gerações de músicos atuantes nessa área, ampliando o público interessado, o que potencializa a realização de eventos em espaços formais e informais, proporcionando vivências em rodas de choro, enquanto espaços de estímulo musical e troca de conhecimentos efetivos, além da ludicidade.
Nesse contexto, o projeto “Obrigado, Radamés”, visa não somente prestar uma homenagem a este importante compositor brasileiro, mas presta-se ao aperfeiçoamento técnico e artístico do material pesquisado.
Duo Gabriel Rimoldi e Guilherme Lamas

Gabriel Rimoldi – Flauta Transversal e Flauta em Sol
Guilherme Lamas – Violão 7 Cordas

O Duo teve início no ano de 2016, quando do ingresso de Guilherme Lamas no mestrado da Unicamp. Os músicos se conheceram no centro acadêmico da Unicamp e iniciaram o projeto apresentado. Gabriel Rimoldi toca a Flauta Transversal e Guilherme Lamas o Violão 7 Cordas de Aço.
Os arranjos são elaborados de modo híbrido, porém em sua grande parte a Flauta se destaca como solista, já o 7 Cordas de Aço se encarrega da condução do acompanhamento e também de melodias realizadas pelo polegar da Mão Direita na região grave do instrumento.
SERVIÇO
Duo Gabriel Rimoldi e Guilherme Lamas
23/OUTUBRO/2019
20H00 às 22H00
Auditório da ADunicamp
Entrada Franca




Chá d'ADu (9/10/2019) | Mosaico Trio

O Chá d’ADu promove uma série de apresentações no Espaço ADunicamp (restaurante na sede da entidade), para os(as) sindicalizados(as) da entidade. A próxima apresentação, que será realizada no dia 9 de outubro, terá o Mosaico Trio.
Formado em 2019 na Unicamp pela união do contrabaixista Hugo Fonseca, do pianista Lucas Rosseto e da baterista Maria Cecília Collaço, o Mosaico Trio busca uma estética própria em meio às suas diversas influências musicais, como o Jazz, o Rock, o Pop e a Música Brasileira. Por meio de arranjos, da improvisação e da criação coletiva, essas várias peças que compõem o grupo se misturam e se unem como um mosaico, formando um todo.
Nessa apresentação, o trio levanta um repertório voltado para o universo tão diverso das músicas brasileiras, passando por nomes consagrados como Milton Nascimento, Chico Buarque, Tom Jobim, Hermeto Pascoal, Ed Motta, Djavan, Moacir Santos, Roberto Menescal, Toninho Horta, Dani Gurgel, dentre outros, compondo um mosaico de brasilidades. Os arranjos são concebidos e interpretados à nossa maneira, que se nutre muito das tradições do jazz, e conta ainda com uma composição autoral (“Chá com Nozes”), feita especialmente para esse show. Venham apreciar!
SERVIÇO
Mosaico Trio
9/OUTUBRO/2019
19 às 21 HORAS
ESPAÇO ADUNICAMP (restaurante na sede da entidade)
Entrada Franca




Camerata de Violões de Campinas apresenta o show "Mosaicos"

Camerata de Violões de Campinas apresenta, no auditório ADunicamp, o show “Mosaicos”. O evento será no próximo dia 18 de setembro, quarta-feira, a partir das 20 horas.
Samba, choro, jazz, rock progressivo, baião, música clássica… uma mescla de diversos gêneros musicais e influências estilísticas dão origem ao disco Mosaicos, da Camerata de Violões de Campinas, grupo formado por um octeto de violões. No repertório, obras compostas e arranjadas especialmente para a sua formação apresentam compositores brasileiros já consagrados internacionalmente, como Ernesto Nazareth, Daniel Wolff e Ricardo Tacuchian, ao lado de compositores da nova geração.
Em sua performance, orientada pela figura de um mosaico, o grupo busca contemplar a diversidade de manifestações e contextos artísticos que se refletem a cada obra: a originalidade de “Abertura Consort”, por transitar entre a música erudita, a música popular brasileira e o jazz; as influências de gêneros tradicionais da música popular brasileira, como samba e choro, presentes em “Imagem Carioca” e “Odeon”; a mistura de elementos da música erudita e do rock progressivo, presentes em “Zaira” e “Quimera”; a influência do cancioneiro mineiro, na obra “Interior”; e as características da música nordestina, presentes em “Rachaduras”, composta com base em imagens visuais, como o caminhar de um personagem em um cenário de seca, e em “Matalotagem”, que explora o contraste entre o rural e o urbano.
SERVIÇO
Camerata de Violões de Campinas
Show: Mosaicos
Data: 18/09(4ªfeira)
Horário: 20h
Local: Auditório da ADunicamp
Entrada Franca




Chá d'ADu (11/9/2019) | Duo Deborah Ferraz e Vinícius Gomes

O Chá d’ADu promove uma série de apresentações no Espaço ADunicamp (restaurante na sede da entidade), para os(as) sindicalizados(as) da entidade. A próxima apresentação, que será realizada no dia 11 de setembro, terá o duo Deborah Ferraz e Vinícius Gomes.
O duo Deborah Ferraz e Vinícius Gomes apresenta um espetáculo musical que dá vozes a personagens femininas em cena. O repertório consta de transcrições e arranjos, para piano e voz, de canções consagradas nas vozes de atrizes e cantoras brasileiras como Bibi Ferreira, Marlene, Georgette Fadel, Gal Costa e Cida Moreira, além de inserções de trechos de obras importantes do teatro musical e engajado brasileiro de autores como Chico Buarque, Edu Lobo, Gianfrancesco Guarnieri, Bertolt Brecht (com versões realizadas principalmente pelo Grupo de Teatro Ornitorrinco) e Lincoln Antonio. O duo buscou criar elos sensíveis entre diversas faces do universo feminino, instigando o questionamento sobre arquétipos comumente estabelecidos para a mulher em cena, passando por mães, rainhas, loucas e meretrizes.
SERVIÇO
Deborah Ferraz e Vinícius Gomes
11/SETEMBRO/2019
19 às 21 HORAS
ESPAÇO ADUNICAMP (restaurante na sede da entidade)
Entrada Franca
 




Mostra de Violão da Unicamp | II Edição – 2019

Nos dias 12, 13 e 14 de Agosto acontece a II Mostra de Violão da Unicamp!
Participação dos violonistas Micael Pancrácio, Bruno Madeira, Lucas Penteado, Ana Maria Bedaque, Ederaldo Sueiro, Camilla Silva e Stephen Coffey Bolis.
Recitais, masterclasses, oficinas, palestras e comunicações de pesquisa.
Entrada franca.
Apresentações no auditório da ADunicamp:
Bruno Madeira
12/AGO
13 Horas
Lucas Penteado
13/AGO
13 Horas
Camilla Silva e Ederaldo Sueiro
13/AGO
13 Horas
Mais informações em Mostra de Violão da Unicamp




Concertos 2019 | Show "Samba-Jazz e seus Trios", com Samboré Trio (21/8)

Samboré Trio nos leva à uma viagem atemporal; da agulha para os instrumentos, da vitrola para os palcos
A proposta é revisitar o repertório e sonoridade, com requinte e fidelidade aos arranjos originais dos históricos trios, verdadeiros pilares da música instrumental brasileira
Elogiado por sua pesquisa que resultou no livro “Guia Prático do Piano Brasileiro – Ernesto Nazareth”, o pianista e professor Léo Ferrarini (Jazz Combo do Conservatório de Tatuí), capitania o Samboré Trio, com o show “Samba-Jazz e Seus Trios”. Com este repertório, os músicos remetem o público à experiência de ouvir um legítimo Trio de Samba-Jazz da década de 60 e 70, interpretando arranjos originais transcritos, “os mesmos que foram gravados pelos trios nos discos”. O Samboré Trio é formado por Léo Ferrarini (piano), Felipe Depoli (contrabaixo acústico) e Everton Barba Rodrigues (bateria).
Juntos compartilham uma amizade musical de longa data e agora formam o Samboré Trio tocando em vários palcos como Bragança Jazz Festival, programa de entrevistas do Atelier de La Musique e outros.
O Show Samba-Jazz e Seus Trios, é fruto da pesquisa e levantamento de centenas de fonogramas de quase trinta trios, a grande maioria da segunda metade da década de 60, no eixo Rio – São Paulo, formação essa que surgiu na década de 30 (Estados Unidos), época em que as big bands dominavam, porém, os músicos se sentiam presos ao que estava na partitura, com os trios buscaram mais liberdade, principalmente nos bares, depois dos shows, caindo no gosto do público. Afirma Ferrarini:

“O jeito de tocar é diferente da música instrumental contemporânea. É tudo muito elaborado e requer outra abordagem para se colocar no som”

Conheça o Samboré Trio:
Teaser
Sinopse e Repertório
Ao Vivo e Entrevista
Livro
Currículo dos integrantes
Clipping
SERVIÇO
21/Agosto/2019
20H00 às 22H00
Auditório da ADunicamp
Entrada franca