ADunicamp vota a favor da proposta de desfiliação do ANDES-SN da CSP-Conlutas

image_pdfimage_print

A ADunicamp votou favoravelmente ao encaminhamento da proposta de desfiliação do ANDES-SN da central sindical CSP-Conlutas. A proposta foi aprovada pela maioria dos/as delegados/as que participaram do 14° CONAD Extraordinário do ANDES-SN, ocorrido nos dias 13 e 14 de novembro, em Brasília. Uma vez aprovada, a proposta será agora encaminhada ao 41° Congresso do Sindicato Nacional, a instância autorizada pelo Estatuto da entidade a tomar a decisão final.

Representantes de 75 seções sindicais, além de diretores do ANDES-SN e convidados, totalizando 212 pessoas, participaram do encontro que teve como tema “CSP-Conlutas: balanço sobre atuação nos últimos dez anos, sua relevância na luta de classes e a permanência ou desfiliação da Central”.

A decisão de realizar esse Conad Extraordinário para debater a desfiliação havia sido tomada no 40º Congresso do ANDES-SN, realizado em fevereiro de 2020, em São Paulo.

A ADunicamp, por escolha tomada em assembleia, foi representada pelo professor Edson Joaquim dos Santos (CTC), delegado com direito a voto, e como observadora e observador, sem direito a voto, pela professora Diama Bhadra A. Peixoto do Vale (FCM) e pelo professor Paulo César Centoducatte (IC).

“Mais de 40 oradores – eles foram sorteados, mas havia um número bem maior de inscritos – se revezaram por aproximadamente 3 horas para defender posições pessoais e das correntes políticas. Predominaram falas com críticas à atuação da CSP-Conlutas, enfatizando a fragilidade organizativa, a ausência de representatividade na sociedade, a pequenez estrutural, as pautas histriônicas, como o ‘Fora todos eles!’, no contexto do golpe de 2016, por exemplo. Também foram realizadas defesas da CSP, por vezes enfáticas, sendo insistentes as defesas da combatividade política, da independência perante os governos e do firme enfrentamento ao processo de desmonte do Estado, particularmente na proteção social e trabalhista”, relata o professor Edson.

Após os extensos debates sobre a atuação da central sindical e da participação do ANDES-SN na CSP-Conlutas, que era a pauta principal do encontro, a proposta “Indicar ao 41º Congresso a desfiliação do ANDES da CSP-Conlutas” foi aprovada com 37 votos favoráveis, 22 contrários e 05 abstenções. 

O professor Edson lembra que também foram apresentadas e discutidas pelos diversos grupos e correntes políticas atuantes no ANDES-SN, as análises da conjuntura e os consequentes reflexos para o movimento docente.

A partir dessas discussões foram aprovadas a realização, no próximo ano, de um seminário para debater a organização da classe trabalhadora e “continuar construindo espaços aglutinadores das lutas”, seguindo as recomendações de temáticas apresentadas no Caderno de Texto, que havia sido previamente debatido e construído nos grupos de trabalho do encontro.

CARTA DE BRASÍLIA

As discussões, posicionamentos, denúncias e moções contra os repetidos ataques à Educação e aos movimentos sociais, expostos no 14° CONAD Extraordinário, foram ao final resumidos em um documento intitulado Carta de Brasília e que foi lido no encerramento pela secretária-geral do Sindicato, Regina Ávila.

“Saímos daqui com a análise de que tivemos uma importantíssima vitória com a eleição de Lula contra o governo fascista de Bolsonaro, que, mesmo utilizando a máquina do Estado e um imenso esquema de corrupção pelo orçamento secreto, foi derrotado nas urnas. Nossa tarefa imediata e no médio prazo é derrotar o fascismo também nas ruas. Essa vitória é da luta que se manteve nas ruas pelo Fora Bolsonaro e contra a PEC 32, nos acampamentos indígenas, nas manifestações antirracistas, em defesa do meio ambiente e tantas outras que somadas ao desespero da fome, do desemprego, levaram a uma enorme vontade de mudar, de esperançar”, diz o documento.

A Carta de Brasília também aponta que “é preciso seguir na luta em unidade com a classe trabalhadora pela defesa da democracia, dos nossos direitos por respeito ao resultado das eleições e, fundamentalmente, preparar para enfrentar a extrema-direita que está organizada e desafia a colocar nosso vigor político a serviço de um projeto societário, humano efetivamente emancipado”.

“A reorganização da classe está na ordem do dia. As ameaças à democracia e a barbárie instaladas são desafios dos mais importantes que temos pela frente e esse processo se apresenta num patamar avançado na luta de classes. O 41º Congresso do ANDES-SN, a partir da indicação deste CONAD definirá os rumos para o avanço da unidade tão necessária em direção à destruição da ordem do capital e vamos vencer, em unidade porque temos o acúmulo enraizado na construção histórica que este Sindicato consolidou com protagonismo há 41 anos”, destaca.

“Seguiremos com o Plano de Lutas que a categoria vai aprovar para o próximo período com nossos princípios: um sindicato que se constrói e se fortalece pela base, com autonomia e independência de classe!”, conclui o documento.

NAS BASES

Jennifer Webb Santos, 3ª tesoureira do ANDES-SN e que presidiu os trabalhos, e avaliou que a plenária garantiu um amplo debate entre os/as participantes. “Isso possibilitou expressar a pluralidade de opiniões e de argumentos que nós temos dentro do Sindicato e a nossa compreensão sobre a importância da entidade estar filiada a uma central sindical”, afirmou.

Para Jennifer, a decisão de indicar ao próximo congresso a desfiliação da CSP-Conlutas foi tomada de forma amplamente democrática, fruto de debates realizados nas bases do Sindicato, ao longo dos anos. Debates que, segundo ela, trazem “a síntese de todas as posições que vêm da base, das nossas seções sindicais e que são fundamentais para a construção da história do nosso sindicato”.

Rolar para cima