A Reitoria atendeu nesta terça-feira,14, reivindicação feita pela ADunicamp com apoio e mobilização dos docentes e COTUCA e do COTIL, e retirou da pauta da Câmara de Administração (CAD) a minuta de criação do “programa de desenvolvimento do quadro docente da carreira do magistério secundário técnico”.

Para os docentes do COTUCA e do COTIL, a proposta do programa (PROC. n° 01P-6533/2018), que seria debatida na reunião da CAD desta terça-feira, não foi sequer apresentada para a comunidade acadêmica, nem mesmo para diretores das unidades e conselheiros da carreira MST junto ao CONSU.

A Reitoria, de acordo com os professores, também, desconsiderou as conversas que ocorriam desde junho, baseadas em proposta para destravamento da carreira, apresentada pelos docentes.

Assim, em ofício protocolado na Reitoria, em 13 de agosto, a ADunicamp reivindicou a retirada do tema da pauta da CAD. “De acordo com os professores do COTUCA e do COTIL há necessidade de maior tempo para esclarecimentos e discussões sobre os impactos de deliberação para a carreira MST”, argumentou o ofício. Os docentes já haviam, inclusive, deliberado por paralisação para se mobilizar na sede da Reitoria, durante a reunião.

Horas antes do início da reunião, porém, a Reitoria entrou em contato com a ADunicamp e se comprometeu a retirar o item de pauta e dar início a tratativas para que a tema seja discutido no âmbito da comunidade acadêmica.

SEM REPOSTAS

Desde junho, os professores do COTIL e COTUCA aguardam, sem retorno da Reitoria, resposta para documento, assinado por quase todos docentes, com proposta para retomada das progressões da carreira especial do magistério secundário técnico (MST).

Mais de 60 docentes esperam, em fila, muitos há mais de três anos, que as progressões voltem a ocorrer.