“Os países mais desenvolvidos, que são mais espelho para as civilizações no mundo hoje, eles têm nas suas universidades públicas a concentração do exemplo civilizatório, de acúmulo de conhecimento a benefício da humanidade.

(…) Esta devolução do orçamento público foi rudemente, drasticamente ceifada, cortada pela metade, através desta tal globalização neoliberal, que tornou os orçamentos públicos reféns de uma dívida pública, que não deixa mais o desenvolvimento de tudo que é público se dar, de acordo com as necessidades do público. A universidade pública, então, paga um preço enorme”.

Nelson Rodrigues dos Santos (FCM/Unicamp)