A diretoria da ADunicamp, por meio desta moção, repudia as ameaças e presta solidariedade à Profª. Drª. Cynthia Agra de Brito Neves, docente do Departamento de Linguística Aplicada do Instituto de Estudos de Linguagem (IEL) desta universidade. Conforme relatado em detalhes pela Congregação do IEL, a professora foi gravemente ameaçada por um homem não identificado, que se disse pai de aluno, em decorrência de conteúdos “sobre homossexualidade” que ela ministra em suas aulas.

De acordo com o suposto pai de aluno, seu filho seria ingressante na universidade pelo ProFIS (Programa de Formação Interdisciplinar Superior) e estaria desmotivado em prosseguir os estudos em decorrência dos conteúdos ministrados pela professora. O homem a ameaçou de morte caso ela continuasse a tratar do tema em suas aulas, e disse que conhecia bem “a rotina” da professora, com o claro objetivo de intimidá-la.

De acordo com a “Moção de Repúdio e Solidariedade” à professora (leia aqui a integra), emitida pela Congregação do IEL, os textos sobre o tema são componentes obrigatórios da grade do ProFIS, na disciplina Leitura e Produção de Textos Acadêmicos II.

Para a diretoria da ADunicamp, essas ameaças precisam ser investigadas e devidamente punidas, uma vez que são mais um capítulo da espiral de intransigência e obscurantismo que tem crescido nos mais diversos segmentos da sociedade brasileira.